LEIA ANTES DE ACESSAR O CONTE√öDO

Este blog tem como objetivo, ser um complemento para alunos do ensino médio, no que refere as Ciência Humanas.


21/05/2013

SOLOS: pr√°ticas agricolas e os problemas ambientais no mau uso dos solos no Brasil e no mundo


Fala galera! Tudo bemūüėÄ! Na aula de hoje vamos falar sobre pr√°ticas agr√≠colas e abordar alguns aspectos importantes relacionados aos problemas ambientais ligados ao mau uso dos solos no Brasil como tamb√©m no mundo. esse √© um tema muito recorrente em Geografia nas provas do Enem

NO√á√ēES PRELIMINARES: 


Quando um agricultor deixar o solo exposto √© muito perigoso, justamente porque a for√ßa da √°gua da chuva ela tem a capacidade de levar essa camada superficial de mat√©ria org√Ęnica. Esse processo de lavagem da camada da superf√≠cie da mat√©ria org√Ęnica no solo n√≥s chamamos processo de LIXIVIA√á√ÉO e √© muito comum, portanto, em √°reas de climas mais √ļmidos onde os agricultores n√£o tomam esse cuidado permanentemente de proteger os solos.


Conceituando: Lixivia√ß√£o – retirada de nutrientes (mat√©ria org√Ęnica ou mineral) do solo pela infiltra√ß√£o r√°pida e excessiva.

Além da lixiviação, os solos, que ficam expostos estão sujeitos a diferentes erosivos, isso ocorre porque a água da chuva tem a capacidade de impactar sobre a superfície do solo, num processo conhecido como efeito splash.
 Efeito splash
Que é o impacto da gota d'água da chuva sobre a superfície do solo, que tem a capacidade de remover aquelas partes inconsolidadas do solo, e forma-se uma lamina de água nessa camada superficial dando origem um processo inicial de erosão que conhecemos justamente pelo nome de erosão laminar.


Conceituando: Eros√£o por splash – chuva direta, saltita√ß√£o de terra, dissolve torr√Ķes favorecendo a eros√£o laminar.
 
 Eros√£o Laminar

Essa lamina d'água que vai carregando entre os pedaços inconsolidados do solo se não for contidos poder evoluir dando origem a pequenos sulcos, que é um estágio mais avançado portanto da erosão.


Conceituando: Erosão laminar Рescoamento superficial maior que a infiltração. Leva à formação de ravinas e voçorocas em áreas de encostas; fendas, sulcos, rasgão.



Sulcos          
Veja que na terceira imagem temos uma ideia de como pode ser essa eros√£o em sulco. Ocorre quando o escoamento da √°gua sobre os solos intensifica o seu desgaste a ponto de formar pequenas “linhas” ou cortes no terrenos. Geralmente, esse √© o princ√≠pio para a forma√ß√£o de eros√Ķes mais graves em √°reas de declividade.

Sulcos funcionam como se fossem calhas para o escoamento da água, se estas calhas, elas não forem contidas, elas podem evoluir dando inicio à orifícios maiores, na forma de V. E esse processo erosivo mais intenso, mais agudo, é conhecido como ravina, ou processo de ravinamento.

Ravinas
 
As ravinas elas s√£o reconhecidas na natureza como orif√≠cios que tem + ou
–1 metro ou 1,5 metros. Ent√£o as ravinas s√£o bem mais percept√≠veis e que se n√£o forem contidas podem evoluir e se juntarem formando e juntarem-se formando um imenso orif√≠cio que n√≥s conhecemos ent√£o como vo√ßoroca, a vo√ßoroca ou bo√ßoroca, √© um est√°gio muito avan√ßado de eros√£o que normalmente √© irrevers√≠vel.

Vaçoroca
A eros√£o quando evolui passa para o est√°gio de vo√ßoroca, que √© na verdade a forma√ß√£o de um grande buraco formado na terra. Nessa fase, temos uma grande perda de solo como visto na figura abaixo. 


Amigos, √© muito importante o controle da eros√£o desde o in√≠cio, pois com o passar do tempo essa eros√£o a princ√≠pio pequena pode tomar grandes dimens√Ķes, perdendo solo e √°rea produtiva, al√©m de que sua recupera√ß√£o se torna muito mais cara.

Por tanto um agricultor para evitar esses processos erosivos ele pode por exemplo, investir em curvas de níveis, a erosão ela acontece por que .


 
 

Confira agora uma dica de Geografia no Enem

O SOLO NO VESTIBULAR E NO ENEM
Para o estudante do ensino m√©dio que est√° se preparando para o vestibular ou para o ENEM, uma dica √© dar uma olhada no conte√ļdo sobre solos, pois diversas universidades tem colocado quest√Ķes sobre o solo em seus processos seletivos e principalmente no ENEM. 


Enem 2012 cobra questão sobre compactação do solo. Confira.
(Enem/2012) Um dos problemas ambientais vivenciados pela agricultura hoje em dia é a compactação do solo, devida ao intenso tráfego de máquinas cada vez mais pesadas, reduzindo a produtividade das culturas.
Uma das formas de prevenir o problema de compactação do solo é substituir os pneus dos tratores por pneus mais
A) largos, reduzindo a press√£o sobre o solo.
B) estreitos, reduzindo a press√£o sobre o solo.
C) largos, aumentando a press√£o sobre o solo.
D) estreitos, aumentando a press√£o sobre o solo.
E) altos, reduzindo a press√£o sobre o solo.

GEOGRAFALANDO COMENTA:
A compactação que as máquinas agrícolas, tais como os tratores, originam no solo é devida à distribuição das forças de contato dos pneus sobre ele. Assim, a pressão que um trator exerce sobre o solo será tão maior quanto maior for o seu peso e menor for a área de contato dos seus pneus com aquele. Considerando o peso dos tratores como invariável, para diminuir a pressão sobre o solo e, consequentemente, a sua compactação, basta utilizar pneus mais largos.
Ou ainda...
A pressão exercida por um objeto sobre o solo é inversamente proporcional à área. Logo, o uso de pneus mais largos reduzirá a pressão do trator sobre o solo, minimizando o problema de compactação.

Resp.: A

Ent√£o pessoal o que voc√™ precisa saber sobre esse assunto? De modo geral entender alguns conceitos e os siguinificados desses conceitos em rela√ß√£o aos fen√īmenos relacionados a eles, e principalmente a entender a interrela√ß√£o existentes desses no meio natural. 
Ent√£o quais seriam os PROBLEMAS AMBIENTAIS LIGADOS AO MAU USO DOS SOLOS:
 
O principal problema ambiental relacionado ao solo é a erosão superficial ou desgaste, que ocorre em três fases: intemperismo, transporte e sedimentação.

Os fragmentos intemperizados da rocha estão livres para serem transportados pela água que escorre pela superfície (erosão hídrica) ou pelo vento (erosão eólica). No Brasil, o escoamento superficial da água é o principal a ser desgastado, a erosão acaba com a fertilidade natural do solo. Veja no mapa abaixo as áreas com risco de erosão e desertificação no Brasil.


A intensidade da erosão hídrica está diretamente ligada à velocidade de escoamento superficial da água: quanto maior a velocidade de escoamento, maior a capacidade da água de transportar material em suspensão; quanto menor a velocidade, mais intensa a sedimentação.

A velocidade de escoamento depende da declividade do terreno e da densidade da cobertura vegetal. Em uma floresta a velocidade é baixa, pois a água encontra muitos obstáculos (raízes, troncos, folhas) à sua frente e, portanto, muita água se infiltra no solo. Em uma área desmatada, a velocidade de escoamento superficial é alta e a água transporta muito material em suspensão, o que intensifica a erosão e diminui a quantidade de água que se infiltra no solo.

Assim, para combater a erosão superficial, há dois caminhos: manter o solo recoberto por vegetação ou quebrar a velocidade de escoamento utilizando a técnica de cultivo em curvas de nível, seja seguindo as cotas altimétricas na hora da semeadura, seja plantando em terraços.

Para a conserva√ß√£o dos solos, deve-se evitar a pr√°tica das queimadas, que acabam com a mat√©ria org√Ęnica do horizonte A. Somente em casos especiais, na agricultura, deve-se utilizar essa pr√°tica para combater pragas ou doen√ßas.

Um problema natural relacionado aos solos de clima tropical, sujeitos a grandes √≠ndices pluviom√©tricos, √© a eros√£o vertical, representada pela lixivia√ß√£o e pela lateriza√ß√£o. A √°gua que se infiltra no solo escoa atrav√©s dos poros, como em uma esponja, e vai, literalmente, lavando os sais minerais hidrossol√ļveis (s√≥dio, pot√°ssio, c√°lcio, etc.), o que retira a fertilidade do solo. Essa “lavagem” chama-se lixivia√ß√£o. Paralelamente a esse processo, ocorre a lateriza√ß√£o ou surgimento de uma crosta ferruginosa, a laterita – popularmente chamada de canga no interior do Brasil – que em certos casos chega a impedir a penetra√ß√£o das ra√≠zes no solo.


EXEMPLIFICAÇÃO:

• Lixivia√ß√£o: termo usado para designar um processo que ocorre quando as √°guas da chuva realizam uma esp√©cie de “lavagem” do solo, retirando um elevado percentual de nutrientes que fertilizam o solo, tornando-o menos f√©rtil. Em decorr√™ncia desse fato, se faz necess√°ria a aplica√ß√£o cada vez maior de fertilizantes.

• Lateriza√ß√£o: √© um processo que acontece em lugares nos quais predominam duas esta√ß√Ķes bem definidas (seca e chuvosa), essa caracter√≠stica favorece a concentra√ß√£o de hidr√≥xido de ferro e alum√≠nio no solo.
A concentração desses minerais forma a laterita, que torna difícil o manejo do solo em virtude do surgimento de uma ferrugem por cima do mesmo, deixando-o mais duro.
 

Desertificação/arenização: falta de manejo do solo como queimadas, sobre pastoreio, mecanização excessiva, monocultura.DE GRADAÇÃO E EROSÃO DOS SOLOS

As atividades agr√≠colas s√£o agentes degradantes dos solos, causando anualmente a perda de milh√Ķes de toneladas. Veja a seguir alguns dados relacionados ao tipo de produ√ß√£o rural com seus respectivos resultados negativos.



Confira agora uma dica de geografia no Enem:

(ENEM/1999) cobra quest√£o envolvendo Bioma relacionado ao tipos de solos.

Apesar da riqueza das florestas tropicais, elas estão geralmente baseadas em solos inférteis e improdutivos. Grande parte dos nutrientes é armazenada nas folhas que caem sobre o solo, não no solo propriamente dito. Quando esse ambiente é intensamente modificado pelo ser humano, a vegetação desaparece, o ciclo dos nutrientes é alterado e a terra se torna rapidamente infértil.
(CORSON, Walter H. Manual Global de Ecologia,1993)

No texto acima, pode parecer uma contradição a existência de florestas tropicais exuberantes sobre solos pobres. No entanto, este fato é explicado pela:

a) profundidade do solo, pois, embora pobre, sua espessura garante a disponibilidade de nutrientes para a sustentação dos vegetais da região.
b) boa ilumina√ß√£o das regi√Ķes tropicais, uma vez que a dura√ß√£o regular do dia e da noite garante os ciclos dos nutrientes nas folhas dos vegetais da regi√£o.
c) exist√™ncia de grande diversidade animal, com n√ļmero expressivo de popula√ß√Ķes que, com seus dejetos, fertilizam o solo.
d) capacidade de produ√ß√£o abundante de oxig√™nio pelas plantas das florestas tropicais, consideradas os “pulm√Ķes” do mundo.
e) r√°pida reciclagem dos nutrientes, potencializada pelo calor e umidade das florestas tropicais, o que favorece a vida dos decompositores.

GEOGARFALANDO COMENTA
O solo das florestas tropicais, embora com poucos nutrientes, consegue manter a exuber√Ęncia da vegeta√ß√£o gra√ßas √† r√°pida reciclagem dos nutrientes. O ambiente √ļmido e a temperatura mais alta favorece a prolifera√ß√£o de decompositores que degradam a mat√©ria org√Ęnica, com a consequente libera√ß√£o de nutrientes inorg√Ęnicos ao ambiente, que ser√£o reutilizados.
Resp.: E

2 coment√°rios:

  1. As consequ√™ncias do mau uso do solo, relacionadas as mudan√ßas clim√°ticas tem um impacto negativo na distribui√ß√£o de alimentos no planeta - se bem que nunca foi igualmente distribu√≠do - uma vez que as a√ß√Ķes mundiais e o pensamento consciente caminham devagar, para mudan√ßas que devem ser criadas o mais r√°pido poss√≠vel. Um solo deteriorado precisa constantemente de suplementos e venenos agr√≠colas para manter a planta saud√°vel. A rela√ß√£o direta com uma alimenta√ß√£o toxica, o c√Ęncer e aumento do uso de plantas transg√™nicas √© evidente. Apenas uma transforma√ß√£o global poder√° erradicar o problema.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...