LEIA ANTES DE ACESSAR O CONTEÚDO

Este blog tem como objetivo, ser um complemento para alunos do ensino médio, no que refere as Ciência Humanas.


21/02/2013

2ª Série EM = 2º BIMESTRE

PRIMEIRA SEMANA AULAS:  01 e 02
ASSUNTO:O QUE É O SISTEMA CAPITALISTA?
Objetivos da Aula:

  - Entender que o sistema capitalista  por essência produz riqueza  e pobreza como condição de possibilidade de sua existência enquanto sistema econômico.
Associar as áreas pobres (periferias) do globo à expropriação (das riuezas produzidas pelos países de modo geral) pelos países ricos (centrais).
Identificar esses tipos de diferenças socioeconomicas em sua realidade local. Isto é saber, que existente no espaço geográfico espaços empobrecidos que são os das periferias e que este só existe devido a existência da expropriação realizados pelas pessoas que vivem no centros (donos dos meios de produção)
 - Compreender  que o espaço geográfico tal como conhecemos hoje é fruto da ação humana sobre a natureza ao longo dos últimos cinco séculos sendo construído e reconstruído ao longo desse período.
 - Relacionar os tipos de espaços produzidos em sua cidade (centro e periferia) aos tipos de espaços produzidos no atual espaço geográfico mundial países ricos(Norte) e paises pobres(Sul).


  ENTÃO VAMOS LÁ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Olá! Pessoal! Tudo bem? Hoje vamos iniciar o nosso estudo sobre a origem da formação e consolidação do sistema capitalista.
O que é o capitalismo?
Noções preliminares
O espaço geográfico é resultado da ação humana sobre a natureza ao longo da história. Ele tal como conhecemos hoje foi construído e reconstruído ao longo dos anos. Isso ocorreu por quê?

Devido o homem ao longo do tempo ter a capacidade de criar e recriar objetos, criar e utilizar novas técnicas, estabelecendo assim novas formas de relação com a natureza, e a partir dessas formas de relacionar com a natureza ele foi modificando o espaço geográfico ao longo do tempo. Nesse processo, o espaço natural e o espaço humanizado sofreram alterações significativas ao longo da história.

Dessa forma, precisamos levar em consideração a relação entre o tempo e o espaço para podermos entender essas transformações. Para entendermos o mundo atual.
iniciaremos a nossa aula analisando a seguinte imagens da cidade de São Paulo.
veja.... 


Atividade de Fixação:

Atividade prática ou lúdica:


SEGUNDA AULA:  03 e 04
ASSUNTO:O QUE É O SISTEMA CAPITALISTA II? ORIGEM E FORMAÇÃO E O CAPITALISMO COMRCIAL
Objetivos da Aula:


- Reconhecer o período histórico conhecido como Idada Moderna como o momento embrionário e de desenvolvimento do sistema capitalista tendo o comercio e posteriormente a atividade industrial como principal fonte de riqueza como base política economica e social na organização da sociedade européia entre os séculos XV e XVII
Conhecer os acontecimentos que antecederam a formação do sistema capitalista e suas principalmente as suas consequências  estruturais no campo ideológicas como no cultural, políticas e econômicas que  de certa forma engendraram o atual sistema capitalista na sociedade européia do final do século XV e inicio do século XVI.
Identificar as relações de poder que permearam a transição  do sistema feudal para o sistema capitalista, quanto  seu conflitos ideológicos tanto no campo cultural, político e econômico e seus atores .


.

ENTÃO VAMOS LÁ !!!!!!!

Perguntas:
- Será que a forma como o homem tem se relacionado com a natureza foi sempre a mesma e com a mesma intensidade ao longo da história?
Agora você imagina: Como era que o homem na idade pré-histórica se relacionava com a natureza? E como era na idade Media?
De certo, essa relação era pouco intensa e o espaço natural foi pouco modificado.
Agora vamos refletir! Como é feito essa relação hoje?
É claro que ele é bem mais intensa!
Observamos que o ritmo dessa relação acelerou-se a partir da idade Moderna, e que ela iniciou-se na Europa.

Mas por que na Europa e na Idade Moderna?
Nesse período a Europa passava por profundas reformas estruturais não só ideológicas como culturais, políticas e econômicas.

IMPORTANTE:
Essas transformações se concretizavam:
Na esfera política:
- na formação dos Estados Nacionais;
Na esfera econômica:
- na realização das grandes navegações e na implantação do mercantilismo;
Na esfera religiosa e cultural:
- no movimento do Iluminismo, na reforma e contra reforma religiosa;
Todos estes movimentos, de certa forma estava relacionados e influenciaram ou foram influenciados pelo surgimento de um novo modelo político socioeconômico, que na época ficou conhecido por capitalismo.

POR QUÊ?
A sociedade feudal vinha passando por um conjunto de reformas lentas mais pontuais. Uma delas era a expansão do comércio com a implantação do modo de produção da manufatura, que vinha acelerando o processo de produção e acabou provocando uma serie de mudanças significativas nas relações sociais que caracterizavam o mundo feudal.
Como por exemplo, muitos dos camponeses fugiam dos campos (feudo) para as cidades em busca de trabalho, e eram contratados pelos burgueses para trabalhar em oficinas em troca de um salário, passando assim, a ser proletários e não mais servos.

Assim a partir da expansão do comércio e com o incremento do modo de produção da manufatura a sociedade européia desenvolveu uma nova relação de trabalho, diferente da relação servil de até então: que foi a relação assalariada.

Contextualizando:
Dos séculos XI ao Século XV, houve um desenvolvimento do comércio e das cidades, bem como o acentuado crescimento demográfico, que estimulou a busca de novos produtos capazes de incrementar a atividade comercial (ouro, prata, açúcar, tabaco, algodão,certos tipos de madeira,frutos diversos, etc.) e isso ataria mais camponeses para as cidades.

Além da busca de novas áreas a serem incorporadas ao raio de ação dos comerciantes europeus. O que acabou levando a organização das grandes navegações. É essa a origem da expansão marítimo-comercial da Europa e da colonização do continente americano, que estão ligados intimamente ao contexto histórico do surgimento do capitalismo.

RELEMBRANDO:
A sociedade feudal era dividida em duas principais classes, a saber:
Servos – camponeses, que trabalhavam em troca de proteção e do uso em proveito próprio de uma porção de terras do feudo.
Senhores feudais – a classe dominante, proprietários dos feudos;
Essas duas classes estabeleceram durante 10 séculos uma relação servil, isto é, uma relação de trabalho que existia na sociedade feudal – lembrar das várias obrigações que os servos tinham para com o senhor dono das terras (feudo).

Concluindo:
Nessa nova sociedade foi-se desenhando novas relações de poder, protagonizadas por novos atores.

Quais atores:
- o aparecimento da relação assalariada;
- a concentração de uma grande massa de desempregados nas cidades (causada pelo excesso de fuga de servos e pelo elevado crescimento demográfico), que seriam utilizados, como operários pela indústria nascente a partir de meados do século XVII;
- e de um seleto grupo de comerciantes que tiveram um grande enriquecimento com o desenvolvimento do comércio e das cidades além da intensificação do comércio ultramarino . Eles puderam investir na produção de novas máquinas que iam sendo inventadas ou aperfeiçoadas, ocasionando a transformação da manufatura mais a frente em indústria.

Surgir duas novas principais classe:

Burguesia –composta de capitalista, dono do meio de produção, ou empresas (fabricas, bancos, empresas de transportes, fazendas, etc.);

Proletariados – constituídos por aqueles que não possuem mios de produção e têm de trabalhar para os que os possuem, em troca de um salário.

OBS:. Que implantaram uma nova relação de poder na gestão do gerenciamento do espaço geográfico:

Quais relações de poder:
Contextualizando:
- A chegada dos portugueses à América faz parte do contexto histórico que se inicia com a expansão comercial de alguns países europeus.

O desenvolvimento do comércio colonial significou o comercio em larga escala, realizado entre metrópole (EUROPA) e as colônias da América, Ásia e a África, interligados por um rígido PACTO COLÔNIAL, que sempre beneficio a metrópole.

Essa nova relação comercial, agora ultramarina e intercontinental, passou a estabelecer a 1ª Divisão Internacional do Trabalho. Assim caracterizada:

- a Europa fornecia produtos acabados aos demais continentes (manufaturados);
- a América e a Ásia forneciam matéria-prima, produtos e outros metais preciosos à Europa;
- a África, além de fornecer algumas matérias-primas, também era fonte de mão-de-obra escrava para outras colônias.

IMPORTANTE:
As relações comerciais definem a acumulação de capital por parte da burguesia e das nações. O exclusivismo comercial entre metrópole e colônia permite, através da exploração dessa, a acumulação de metais preciosos e riquezas na primeira. A classe de comerciantes que constitui a burguesia nascente também realiza sua acumulação de capital através da intermediação entre a produção dos artesãos e manufaturas e o mercado consumidor em expansão.

OBSERVAÇÃO:
- Do séculos XII e XIII ao XVIII, o capitalismo conheceu a fase comercial ou mercantil, ao longo da qual o pólo principal de acumulação de capital não foi o produtivo, mas o circulador de mercadorias. Neste período, ocorre a acumulação primitiva de capital que, calcada em formas de produção ainda pré-capitalistas, antecedeu e propiciou a plena implantação do capitalismo como modo de produção. Nesta etapa, a burguesia, além de destruir e criar sucessivos regimes de produção, também navegou pelos oceanos em busca de metais preciosos e de gêneros comercializáveis na Europa, quando da expansão ultramarina moderna. Para apoiar os esforços dos comerciantes, os estados absolutistas europeus adotaram uma política econômica mercantilista, cujos elementos definidores são:


- PROTECIONISMO — os governos barravam a entrada de gêneros estrangeiros, por meio de alta tributação ou proibição explicita, isentando, simultaneamente, de impostos os produtos nacionais enviados aos mercados externos, que assim passavam a ter preços competitivos. O slogan do mercantilismo era “vender sempre, comprar nunca ou quase nunca”;
- BALANÇA DE COMÉRCIO FAVORÁVEL—o interesse dos estados nacionais e de suas burguesias era obter um superávit financeiro nas suas trocas com os demais países, o que implicava a aceleração da acumulação de capital. Dessa maneira, as burguesias ficavam mais ricas e os governos mais poderosos;
- METALISMO—os metais preciosos tornaram-se padrões de medida da acumulação de capital e a quantidade de metais amoedáveis tornou-se o símbolo da riqueza nacional.
No século XVIII, fruto das transformações econômicas e sociais ocasionadas pelo capital mercantil, o capitalismo, particularmente o britânico, entrou na fase industrial, marcada pela produção levada a efeito por máquinas. O extraordinário crescimento econômico do período, calcado no sacrifício da classe operária, obrigada a longas horas de trabalho e a verter o sangue e o suor de suas mulheres e crianças, alterou o mundo. Os mercados, agora, são globais e isto leva à independência política dos países americanos. A economia, as idéias liberais e as instituições políticas européias começavam a se mundializar.
Na prática esse sistema fez:
Que a existência e manutenção das classes burguesia (capitalista) fosse sustentada a partir da existência da classe proletária, ou seja, uma é parte da outra. Onde na sua essência, essa nova organização social, reside na desigualdade socioeconômica entre as pessoas.
REFLEXÃO
Nessa perspectiva o espaço é movido pelas contradições presentes e por um processo dialético.

Por exemplo: a existência e manutenção dos países ricos é sustentada a partir da existência dos países pobres, um é parte do outro, em um processo que se forma através do tempo em um materialismo histórico que se constitui pelos processos sociais que se relacionam pela produção e reprodução da base material da vida até os dias de hoje.
E o que seria a base material da vida? Alimentos, moradia, laser, etc..

Nessa análise do espaço geográfico os geógrafos se empenharam na tarefa de elaborar de um método para analisar as contradições sociais no espaço levando ao entendimento deste mecanismo (desigualdade socioeconômica entre as pessoas) o materialismo histórico juntamente com o método dialético.
Na teoria da dialética espacial as relações espaciais são vistas como refletindo as relações sociais; se, nas relações sociais,algumas pessoas trabalhar para sustentar as outras, então no espaço as pessoas da periferia trabalham para sustentar as pessoas dos centros metropolitanos, inevitavelmente estabelecendo contradições e conflitos espaciais. Assim na descrição obvia do espaço em centro (pais rico) e periferia (país pobre) é rapidamente ultrapassada a fim de se atingi-se a análise mais complexa das relações espaciais. Isto é a existência e manutenção dos países ricos é sustentada a partir da existência dos países pobres, um é parte do outro. A questão agora é não só saber que o espaço produzido é desigual, mas compreender que a sua essência produz essa desigualdade.


Atividade de Fixação:

Atividade prática ou lúdica:

TERCEIRA AULA: 05 e 06
ASSUNTO:A BURGUESIA  DO CAPITALISMO COMERCIAL AO INDUSTRIAL: 
Objetivos da Aula:
- Entender que a atual configuração do espaço geográfico tem suas origens históricas na Idade Moderna
- Entender como se estabelece as relações de poder dentro de uma organização social e como isso ocorre dentro do plano político, econômico dentro de um modelo de sociedade, num determinado período da sociedade humana
- Compreender como ocorreu a transição do feudalismo para o capitalismo
- Identificar a classe burguesa como a classe social ascendente economicamente com a nascimento o capitalismo enquanto sistema socio-econômico dominante a partir do século XVI.e politicamente a partir de meados do séculoXVIII
- Entender o que foi o liberalismo econômico, e o que isso representou para  as classes mais pobres (proletários) e conhecer os postulados de seus principais pensadores    


 
Fala Galera!!! Tudo bem? Vamos iniciar a aula de hoje lembrando um pouco o assunto que a gente viu nas aulas anteriores.
Ok!!
Então vamos continuar...
Bem!! Pessoal, entender a atual configuração do espaço geográfico e a geopolítica que o rege é preciso primeiro entender como se estabelece as relações de poder que gerenciam as relações sociais, política e econômica. Mas principalmente como essas forças se articulam nessas relações, para podermos entender a atual configuração da geopolítica mundial, para entendermos como se dar e como ocorre o processo de legitimação desses poderes e como se perpetuam no poder. Ok.
Primeira coisa que você deve saber ou pelo menos questionar-se: Quem é que detém, esses poderes atualmente? O Estado ou o capital?
Iremos responder essa pergunta ao longo das aulas? Mas em tese é o capital.
Segunda coisa que precisarmos ter noção é de que:
Sempre (nunca geralmente) as relações sociais estabelecidas ao longo tempo na história da sociedade humana é marcada pela supremacia de uma classe social sobre as demais classes sociais de um período histórico
EXEMPLIFICANDO:
 pirâmide social do Egito


e a de Roma
A partir desses gráficos observamos que deste a origem da organização social da sociedade humana, isto é desde o modo de produção asiático,passando pelos modo de produção escravocrata, feudalismo, chegando a capitalismo, sempre uma classe social prevaleceu(socialmente, politicamente e economicamente) sobre as demais classes
IMPORTANTE:
Uma outra análise que podemos fazer é que um sistema de organização social é sempre montado para legitimar e perpetuar determinados tipos de relações sociais estabelecidas no plano político, econômico dentro de um modelo de sociedade, num determinado período da sociedade humana
Veja a gravura:

IMPORTANTE:
Quando um sistema entra em colapso, as relações sociais estabelecidas pela classe social dominante também entra em colapso, e outra(s) classe social passa a dominar as relações sociais estabelecendo novas relações de poderes, construindo um novo MODELO de ORGANIZAÇÃO SOCIAL.
EXEMPLIFICANDO:
Pirâmide social do feudalismo

Foi o que ocorreu com o sistema FEUDAL que entrou em colapso, e a classe social (BURGUESIA) engendrou um novo modelo de relações sociais, baseado:
- Na livre iniciativa e livre concorrência;
- Na Propriedade Privada (especialmente dos MEIOS DE PRODUÇÃO)
- Na Lei da oferta e da Procura;
Lembrando:
A lei da Oferta e Procura considera que a variação de valores a partir de dois princípios:
- A oferta: Quando mais se tem determinado produto, mais barato ele é, quanto mais raro, mais caro.
- Procura: Quanto mais se deseja determinado produto, mais caro ele é, quanto menos ele é desejável, mais barato.
Agora! Você sabe quem foi que criou e organizou as relações sociais com base nesses postulados?
Resposta: A Burguesia.

 Piramide social capitalismo 1911


Mas, Por Quê? Esse questionamento é a mesma que perguntar
- Por que a Burguesia financiava a cultura e as artes?
- Por que a Burguesia apoiou Napoleão como imperador da França?
- Por que a Burguesia apoiou a reforma protestante?
- Por que a Burguesia era contrária ao absolutismo e ao mercantilismo?
IMPORTANTE:
Essa classe social estava por trás de todos os movimentos sociais e políticos que marcaram o fim do feudalismo e o inicio do capitalismo. A groso modo esses movimentos são chamados em seu conjunto de obra de Revolução Burguesas que foram todos os processos históricos que consolidaram o poder econômico da BURGUESIA, bem como da sua ascensão ao poder político.
CONTEXTUALIZANDO:
Ao longo dos séculos XVII e XVIII a Burguesia se demonstrará como uma classe social REVOLUCIONÁRIA, destruindo a ordem feudal, consolidando o capitalismo etransformando o Estado para atender seus interesses.
IMPORTANTE:
As chamadas REVOLUÇÕES BURGUESAS foram:
- As Revoluções Inglesas do século XVII (puritana e gloriosa);
- A independência dos E.U.A.;
- A Revolução industrial;
- A Revolução Francesa.
- O Iluminismo
Etc.

EXEMPLIFICANDO:
No caso, do iluminismo, vejamos qual era a essência do pensamento econômico do Iluminismo?
Este estava centrado na questão da liberdade econômica, desenvolvendo-se duas ESCOLA:
- os fisiocratas;
- os liberais.
IMPORTANTE:
Essas duas escolas criticavam o MERCANTILISMO e o PACTO COLONIAL, atendendo aos interesses da burguesia.

OBSERVAÇÃO:
- OS FISICRATAS criticavam as praticas mercantilistas e propunham o fim da intervenção do ESTADO nos assuntos econômicos. Segundo os fisiocratas a economia funcionava, seguindo as suas próprias leis.
-OS LIBERAIS, assim como os fisiocratas criticavam as práticas mercantilistas, porem, ao contrário deles, os liberais consideravam o TRABALHO como a principal fonte de RIQUEZA.
E ainda, eles defendiam a concorrência, a divisão do trabalho e o livre comércio.

CURIOSIDADE: O principal teórico desta escola foi ADAM SMITH, que sistematizou o pensamento liberal na sua obra “A Riqueza da Nações”

IMPORTANTES:
As idéias liberais são conhecidas como LIBERALISMO ECONÔMICO e constituem as premissas básicas do capitalismo.

CONCLUINDO:
Bem pessoal, digamos que essa é a base teórica que deram origem e que sustentam ao atual sistema capitalista até hoje. Só que nesses últimos 300 anos de existência esse sistema econômico passou por várias crises. E para superar essas crises ele foi criando novos mecanismo, novas estratégias como, por exemplo, as revoluções industriais vai ser uma delas, como também os modelos de organizações industrias(fordismo, taylorismo, etc..), e também as formas de organizações industrias como por exemplo os trustes os cartéis etc.. etc... Como veremos nas próximas aulas.
Então pessoal essa era a nossa fala de hoje, valeu e até a próxima aula. OK!!!!!


Atividade de Fixação:

Atividade prática ou lúdica:


UVA 2012.2 – Sobre o modo de produção capitalista, é correto afirma que sua base econômica:

I – está nas mãos do Estado, que determina a distribuição dos bens produzidos;
II – é a propriedade social dos meios de produção;
III – está em poder de uma minoria que detém os meios de produção;
IV – está em poder da maioria que usufrui os meios de produção;
V – é a propriedad privada dos meios de produção.

Estão corretas:
a) apenas as afirmativas I e IV.                       b) apenas as afirmativas III e V.
c) apenas as afirmativas II, III e IV.                d) todas as afirmativas.

Comentários:
São caracteristicas do capitalismo:
Propriedade privada – consiste no sistema produtivo vinculado à propriedade individual.
Lucro – é o principal objetivo capitalista, proviniente do resultadoda acumulação do capital.
Economia de mercado – livre iniciativa da regulação do mercado, sem ou pouca intervenção do Estado.
Divisão de clones – de  um lado está uma minoria denominada “capitalista” ou donos dos meios de produção e de capitais; e do outro lado, a maioria chamada de “proletariados”, pessoas que vendem sua força de trabalho por um salário.
Resposta correta: B





CEDERJ – “Os Estados monárquicos dos séculos XV e XVI encontraram, pois, neste tesouro de experiência e de regulamento, os primeiros elementos de sua política econômica; numa certa medida, o mercantilismo que começa a se afirmar na França e na Inglaterra na segunda metade do século XV estendeu aos limites das jovens monarquias nacionais as preocupações e as práticas das cidades da Idade Média.”
Deyon, Pierre. O Mercantilismo. São Paulo: Perspectiva, 1973, p.16.

Sobre o Mercantilismo, pode-se afirmar que

a) é um conjunto de teorias sobre o papel da moeda no processo de desenvolvimento europeu. Nesse sentido, a acumulação de moedas é identificada como inibidora do fortalecimento econômico de um país.
b) se constitui numa prática política protecionista que desestimula a importação e favorece a exportação de produtos, eliminando o equilíbrio da balança comercial.
c) suas políticas assentavam-se na certeza de que a riqueza de uma nação tinha relação direta com
o maior incremento na importação de produtos. Por isso, as políticas mercantilistas são essencialmente liberais.
d) está ancorado na manutenção de práticas locais de produção de subsistência e na vinculação estreita com a Igreja Católica. Dessa forma, a prática mercantilistas é essencialmente católica.

FEI –  No final do período medieval, parte da burguesia europeia emergente passou a apoiar a centralização do poder nas mãos dos monarcas, em detrimento da nobreza, como forma de garantir privilégios e interesses econômicos, como o do comércio. Esta centralização, que está na origem dos Estados-nações, não ocorreu de forma homogênea em toda a Europa. Assinale a alternativa que indica o país onde o processo de centralização ocorreu em primeiro lugar:

a) Alemanha
b) Itália
c) Holanda
e) Portugal
e) Bélgica

FATEC – O Mercantilismo pode ser definido como um conjunto de práticas e doutrinas econômicas adotadas pelo Estado absolutista, na Idade Moderna, com o objetivo de obter e acumular riqueza. Partindo do princípio de que a riqueza de uma nação era determinada pela quantidade de metais preciosos mantidos dentro de seu território, os estados absolutos desse período

a) proibiam as atividades manufatureiras e desviavam os capitais assim liberados para o desenvolvimento de frotas comerciais.
b) criavam cooperativas multinacionais para dividir os custos de empreendimentos, como a colonização de áreas periféricas.
c) eliminavam a livre iniciativa, submetendo as atividades econômicas rurais e urbanas ao monopólio estatal.
d) estabeleciam a lei da oferta e da procura para garantir a livre concorrência e eliminar os entraves ao desenvolvimento comercial.
e) utilizavam políticas intervencionistas para regular o funcionamento da economia e obter uma balança comercial favorável.


UNEMAT – As alternativas a seguir referem-se a alguns aspectos fundamentais que caracterizam o capitalismo desde sua etapa inicial, exceto:

a) sociedade dividida em classes.
b) socialização dos meios de produção.
c) economia de mercado.
d) busca do lucro e acumulação do capital.
e) predomínio da propriedade privada.


UNIOESTE – A respeito da formação da sociedade capitalista, leia o trecho abaixo e assinale a afirmativa INCORRETA.

“O processo que cria o sistema capitalista consiste apenas no processo que retira do trabalhador a propriedade de seus meios de trabalho, um processo que transforma em capital os meios sociais de
produção e sobrevivência e (que) convertem em assalariados os produtores diretos (...). O produtor direto, o trabalhador, só pode dispor de sua pessoa depois que deixou de estar vinculado à gleba (...)”
Marx. O Capital.

a) O processo de formação do sistema capitalista baseou-se na expropriação dos meios de produção de um determinado grupo social – os trabalhadores diretos.
b) sistema capitalista ao se formar transforma o trabalhador em mercadoria, pois este, para sobreviver, deverá vender sua força de trabalho.
c) O processo de formação da sociedade capitalista transformou a terra em mercadoria.
d) A transformação do camponês em trabalhador assalariado baseou-se no processo de expropriação de seu direito a terra.
e) O processo de formação da sociedade capitalista se baseou na socialização dos meios de produção.

QUARTA SEMANA  AULAS: 07 e 08
ASSUNTO:AS FASES DO CAPITALISMO  - CAPITALISMO  COMERCIAL 
Objetivos da Aula:

- Compreender o que diferencia as várias etapas do desenvolvimento do capitalismo;
- Identificar as características do capitalismo
- Explicar que o período ( século XVI a XVIII ) ficou conhecido como período do capitalismo comercial porque gerou um acúmulo de capitais devido a esfera de circulação de mercadorias por meio do comércio.

- Entender que o desenvolvimento do capitalismo comercial se deu através da expansão marítima européia .
- Apresentar que nesse período da  economia capitalista, a política econômica  funcionava segundo a doutrina mercantilista, apresentando as sus principais características.
- Compreender que esse princípio do capitalismo ficou conhecido como fase de acumulação primitiva de capitais (conforme designação Karl Marx.)


Lembrando o que foi visto nas aulas passadas que:
- 1ª coisa: O espaço  geográfico  passou  a  ser   modificado quando o homem começou a produzir. Mas  foi o modo  de  produção  capitalista  que  determinou  as mais profundas alterações nesse espaço.

- 2ª coisa:O sistema  capita lista  nasceu  das transformações  por  que  passou  a  Europa  feudal  a partir,  sobretudo  do  século XI I.  O  fundamento  da  riqueza  deixou  paulatinamente  de  ser  a  terra,  e favoreceram  o  desenvolvimento  de  relações mercantis  e  a  economia  de  mercado  começou  a estruturar-se com base no trabalho artesanal.

- 3ª coisa:O crescimento  e  o  aumento  do  n úmero  de cidades propiciaram a diversificação e a mobilidade sociais  até  então  praticamente   inexistentes.  As trocas  comerciais  entre  diversas  regiões estimularam  as  transformações  no  mundo  de trabalho, com o  surgimento do trabalho assalariado e de uma incipiente divisão técnica das atividades.

- 4ª coisa:O capitalismo  caracteriza -se  como  um sistema econômico e social voltado para a obtenção de  lucro,  com  base  na propriedade   privada  dos meios  de  produção  (fazendas,  indústrias,  bancos, serviços  etc.)  e  na  exploração  do  trabalho  alheio.

- 5ª coisa:Isso significa que uma  parcela   da  sociedade  -  os capitalistas - detém e controla os bens e as riquezas produzidas,  em  constante  circulação.  Essa circulação evoluiu do simples comércio, quando do surgimento desse sistema, até sua intensificação nas mais diferentes instâncias do mundo globalizado. 

Bem pessol, agora vamos falar um pouco mais e especificamente sobre as fases do capitalismo ok!!!!! 

Como já dissemos o Capitalismo é um sistema econômico baseado na livre iniciativa e livre concorrência, na propriedade privada (especialmente dos meios de produção) e na lei da oferta e procura, reconhecendo duas classes sociais distintas: a Burguesia (empresários, investidores), fundamentada no lucro e o Proletariado (empregados, trabalhadores) que vendem sua força de trabalho.

Lembrando:
             A lei da oferta e procura considera que a variação de valores a partir de dois princípios:
- a oferta (quanto mais se tem determinado produto, mais barato ele é, quanto mais raro, mais caro) e
- a procura (quanto mais se deseja determinado produto, mais caro ele é, quanto menos ele é desejável, mais barato).
            

Tradicionalmente são consideradas três fases no capitalismo:

Capitalismo comercial – Inicia-se nas grandes navegações e vai até a Revolução Industrial. O lucro vinha através do comércio.


É o período das Grandes Navegações ou Descobrimentos, quando novas terras - principalmente do continente americano ou Novo Mundo - passaram a fazer parte do mundo até então conhecido: o Velho Mundo. Nessa época países da Europa ocidental (Portugal, Espanha, França, Inglaterra e Holanda) obtiveram grandes conquistas territoriais no Novo Mundo e fizeram dos territórios recém conquistados suas colônias.

As regras das relações entre metrópoles e co¬lônias foram estabelecidas pelo Pacto Colonial, segundo o qual a colônia só podia manter relações comerciais com a metrópole. Surgiu, assim, a pri¬meira divisão internacional do trabalho (DIT), caracterizada pelo envio de matérias-primas das colônias para as metrópoles e de produtos manufaturados das metrópoles para as colônias.
QUAIS FORAM AS CONSEQUÊNCIAS DISSO PARA A ATUAL CONFIGURAÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO? 
 
Observando a figura acima, notam-se as fases do capitalismo. A primeira, conhecida por capitalismo comercial, ocorre com a expansão marítima e comercial européia, evidenciando a decadência do feudalismo. Nessa fase, potências européias, como Portugal, Espanha, Inglaterra, entre outras, articulam a exploração de áreas incorporadas economicamente.
OBSERVAÇÃO:
O sistema colonial europeu introduziu dois modelo de colonização nas suas colonias dois tipos de modelos: EXPLORAÇÃO e POVOAMENTO
a) EXPLORAÇÃO onde a exploração baseia-se na acumulação de metais preciosos, marcando o mercantilismoa partir do século XVI pelas metrópoles europeias que apoiou-se basicamente:
-        Agricultura monocultural
-        Extrativismo mineral
-        Implantação de grandes propriedades (latifúndios)
-        Subjugação da mão de obra nativa (num primeiro momento)
-        Escravização da população negra africana;
-        Produção voltada a atender aos interesses do mercado externo

IMPORTANTE:
Esse tipo de colonização exploratória marcou a história das regiões tropicais e da construção do espaço geográfico do mundo subdesenvolvido.
Exemplificando: Colonia de Exploração:
      -        Estrutura econômica dependente:  voltada para as necessidades do mercado externo;
-        Predomínio do latifúndio e do trabalho compulsório
      -        Monopólio do comércio colonial pela metrópole: companhias de comércio e sistema de frota;
-        Estrutura social hierarquizada, excludente em relação aos setores coloniais;
-        Dominação político metropolitana centralizada.

b)  POVOAMENTOa partir do século XVII, parte das regiões de clima temperado também começou a ser ocupado por colonos europeus, principalmente da Inglaterra, que fugiam da perseguição religiosa na Europa. Esses colonos entretanto, geralmente migravam com o intuito de permanecer nas novas terras, transformando-as na sua nova pátria e se caracterizou:

-        desenvolvimento urbano-industrial ;
-        intensificações do comércio interno
-        predomínio da pequena  propriedade policultora
-        estabelecimento do trabalho livre (familiar e/ou assalariado) 
IMPORTANTE:
Esse tipo de colonização foi responsável pela produção de um espaço geográfico diferente daquele construído nas colonias de exploração, isto é, construção do espaço geográfico do mundo desenvolvido na América e na Ásia e Oceania
Exemplificando: Colonia de Povoamento:
-        Estrutura econômica autossuficiente;
-        Predomínio da agricultura diversificada, realizada em pequenas propriedades;
-        Desenvolvimento da produção artesanal/manufatureira e do comércio
-        Trabalho livre e familiar, eventualmente a “servidão por contrato”
-        estrutura social dinâmica e diversificada;
-        Estrutura política autônoma autogoverno 



Atividade de Fixação:


UECE 2010.2
O capitalismo tem sua origem em meados dos séculos XV e XVI. Desde então, suas formas e mecanismos têm se adaptado às condições políticas, históricas e sociais. Nas opções a seguir, marque a que contém informações FALSAS sobre o capitalismo e seus arranjos.

a) No momento histórico atual predomina o capitalismo comercial solidário, modelo que gera riqueza e estimula o comércio entre os países pobres industrializados.
b) O capitalismo industrial foi marcado pela primeira e segunda revoluções industriais, tornando a produção industrial uma das maiores fontes de lucro.
c) O monopólio capitalista pode ser entendido como a concentração do capital por poucos grupos ou empresas.
d) Entre os fundamentos do neoliberalismo 



UCS-RS No período histórico que se estende entre os séculos XVI e XVIII, com o fim do feudalismo e a consolidação dos Estados Nacionais, a doutrina econômica dominante foi o mercantilismo.
Assinale a alternativa que apresenta uma de suas características.

a) Laissez-faire ou liberdade de comércio e de produção: o Estado não deveria intervir nas atividades econômicas ou, no máximo, poderia atuar de forma subsidiária e complementar em setores cuja exploração não fosse lucrativa ou não interessasse aos particulares.
b) 
Livre-câmbio: pregava a abolição das tarifas alfandegárias protecionistas, defendendo que cada país deveria se especializar na produção daqueles artigos que pudesse produzir em melhores condições que os outros, dando início à divisão internacional do trabalho.
c) 
Inviolabilidade da propriedade privada: a propriedade privada era um direito natural do ser humano, sagrado e inviolável, e o que fosse herdado ou adquirido conferia ao indivíduo o direito de usá-lo em seu proveito.
d) 
Liberdade de contrato: o montante do salário e a extensão da jornada de trabalho deveriam ser fixados livremente através de negociação direta entre o empregador e o empregado, sem nenhuma interferência do governo, da legislação ou dos sindicatos.eBalança Comercial Favorável: o esforço era para exportar mais do que importar; dessa forma entrariam mais moedas do que sairiam, deixando o país em boa situação financeira.



QUINTA SEMANA AULAS: 09 e 10
ASSUNTO:AS FASES DO CAPITALISMO - CAPITALISMO INDUSTRIAL
Objetivos da Aula:

- Entender o processo de desenvolvimento do capitalismo;
- Entender as transformações econômicas, sociais, políticas e culturais do período.
- Entender que a mais-valia consiste na exploração capitalista , que é a essência do lucro. Se o trabalhador produz um valor maior do que aquele que recebe na forma de salário, compreender qeu essa fatia de trabalho não-pago é apropriada pelo dono da fábrica. Dessa forma, o produto ou o serviço vendido traz embutido esse valor não transferido ao trabalhador, permitindo o acúmulo de lucro pelos capitalistas. 


  
O Capitalismo industrial – Inicia-se na Revolução Industrial e vai até o início do século XX.  
IMPORTANTE:
A principal fonte de renda passa a ser a transformação de produtos primários em bens de consumo (industrializados).
Essa fase do capitalismo, que se estende do século XVIII ao XX, foi marcada pela Primeira e pela Segunda Revolução Industrial e pela partilha da África e da Ásia entre as potências colonialistas européias - o imperialismo.

A produção industrial tornou-se a maior fonte de lucro e o trabalho assalariado passou a ser a relação típica do capitalismo: quem recebia salário acabava consumindo os produtos que ajudava a fabricar.
 
Com o capitalismo industrial, o trabalho tornou-se mercadoria. Aquele que não possuía meios de produção, nem capital, vendia a sua mercadoria, ou seja, a sua força de trabalho.
 
Especificamente no período da ocorrência da 2ª Revolução Industrial, muitas das antigas colônias da América conseguiram sua independência e a indús¬tria se expandia cada vez mais. As metrópoles precisavam procurar novos fornecedores de matérias-primas e novos mercados de consumo para seus produtos industrializados. As potências européias, então, partiram em busca de novas colônias, dando início à partilha da África e da Ásia. Esse período fi¬cou conhecido como imperialismo. 


Fala galera!!! Tudo Bem?? Hoje vamos falar sobre o CAPITALISMO INDUSTRIAL  e isso é o mesmo que falar 1ª e 2ª REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS.
Pontos importantes a serem observados no estudo desse assunto:
- 1ª coisa: A revolução Industrial foi um processo marcante na história da humanidade porque deu origem a um novo segmento econômico – a atividade fabril – e criou uma nova função para as cidades – o espaço urbano deixou de ser apenas um lugar de consumo e de comercialização para ser também o lugar de produção de bens industriais e de serviço.
- 2ª coisa: entender os motivos (fatores ou causas) que levaram o surgimento dessas revoluções.

Quais e quantas Revoluções ocorreram ao longo da história????

Entre a segunda metade do século XVIII e os dias atuais, podem-se estabelecer três etapas históricas no desenvolvimento da atividade industrial, em função dos avanços científicos e tecnológicos alcançados pela humanidade.

A saber:

- Primeira Revolução Industrial
- Segunda Revolução Industrial e
- Terceira Revolução Industrial.
Contundo nessa aula falaremos  apenas da 1ª e 2ª REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS.
Antes de falarmos dessas revoluções é importante lembrarmos como estava organizado o modelo produtivo antes da 1ª Revolução Industrial.

Bem pessoal! As manufaturas ofereciam empregos braçais e repetitivos para operários sem qualificação profissionais.

Nessa nova forma do processo produtivo, os trabalhadores sofreram dois tipos de expropriação.

QUAIS...???
- Uma se referia ao seu conhecimento;
- A outra se referia aos meios de subsistência.

IMPORTANTE:
Dentro dessas manufaturas (período do capitalismo comercial) a produção era realizada em torno da figura do burguês que ocupava um papel fundamental na estrutura da produção.

COMO SE DAVA ISSO?
Essa nova forma de produção os operários obedeciam uma rígida hierarquia do novo processo de trabalho, que consistia em ter o capita sob seu comando inúmeros artesões espalhados em um amplo raio de ação. Os artesões recebiam a matéria prima deque necessitava para o trabalho e devolviam-na totalmente manufaturada para o capitalista, que depois cuidava da distribuição desses.

E COMO ERA O MODELO PRODUTIVO ANTES DA MANUFATURA?

Para responder essa questão temos que voltar a IDADE MÉDIA. Nesse período a produção se dava através do modo produtivo denominado de ARTESANATO e da seguinte forma:
- Cada trabalhador (artesão) tinha a sua oficina;
- Os trabalhadores eram os proprietários dos MEIOS DE PRODUÇÃO.
- Não havia divisão de trabalho acentuada, isto é, cada artesão fazia um produto do começo ao fim.
- Não eram necessários grandes quantidades de capital para se produzir algo;
- O trabalhador podia criar o produto que quisesse da forma que mais lhe agradasse;

OKKKK!! VOLTANDO AO ASSUNTO DA MANUFATURA
O modelo da manufatura foi de certa forma essencial para a estruturação da divisão social do trabalho que passou a existia nessa etapa o sistema capitalista, e essencial também para o desenvolvimento e manutenção das relações sociais do capitalismo, isto é, o trabalho assalariado.

IMPORTANTE:
Na manufatura já existia a reunião de inúmeros trabalhadores em um mesmo lugar, mas faltava a máquina, para termo o conceito de fabrica, aqui ainda era oficina, e a atividade ainda não é a fabril. Mais de certa forma ao utilizar nem mesmo lugar um número grande de operários sob o comando de um único capital a manufatura inaugura uma forma de trabalho coletivo e cooperativo que coincidiu com a degradação do trabalho artesanal.

AGORA para que houver a 1ª Revolução Industrial , teve que ocorrer uma série de invenções técnicas e tecnológicas e inovações dentro do modelo produtivo que incrementasse a produção a níveis já mais visto pela humanidade. E foi o que ocorreu em meados do século XVIII na Inglaterra, uma série de inovações técnicas possibilitaram uma nova era do processo produtivo: a maquinofatura.

IMPORTANTE
O primeiro setor em que surgiram modificações que levaram a maquinofatura foi o da produção têxtil.

CONTEXTUALIZANDO:
No ano de 1733, John Kay inventou a lançadeira volante, o que permitiu o aumento da capacidade de tecer, produzindo um descompasso técnico, pois a produção da fiação não conseguia atender à demanda.
Esse problema foi resolvido por James Hargreaves, com a criação de uma máquina conhecida como spinning-jenny, que acelerou a produção de fios para os teares.
Ocorreu com isso novo descompasso, pois, agora, produziam-se mais fios do que a demanda. A solução surgiu no ano de 1785, com a invenção de E. Cartwright, que criou o primeiro tear mecânico. Essa nova invenção passou a exigir uma nova forma de energia, a qual foi conseguida por James Watt com o aperfeiçoamento da máquina a vapor.
Observação: a máquina a vapor foi um aperfeiçoamento do aparelho criado por Thomas newcomer, em 1712, para bombear água no fundo das minas de carvão.
IMPORTANTE:
Essa solução marcou uma definitiva e básica alteração: a substituição da força humana pela força motriz, inicialmente marcada pela energia do vapor.
AGORA PRESTA ATENÇÃO
Todas aquelas mudanças ocorridas no modelo de produção da manufatura tiveram grande importância para o início do que foi a PRIMEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, mas somente essas mudanças não configurariam se em uma verdadeira revolução no ponto de vista econômico e social da produção de mercadorias em que passou a vivenciar a Inglaterra do meados o século XVIII, que foi com a introdução de máquina dentro do processo produtivo.

ENTÃO O QUE FOI A Primeira Revolução Industrial?
A primeira Revolução Industrial consistiu em um conjunto de mudanças tecnológicas com profundo impacto no processo produtivo em níveis econômico e social. Teve como base a Inglaterra em meados do século XVIII, expandiu-se pelo mudo a partir do século XIX( vai doSéculo XVIII até Fins do XIX).


POR QUE A REVOLUÇÃO SE INICIOU NA INGLATERRA ?
- Acumulação de capital
- Revoluções Inglesas do Século XVII
- Grandes quantidades de matérias-primas importantes como carvão e ferro
- Cercamento dos Campos que expulsou os camponeses para as cidades, onde se tornariam mão de obra para as fábricas
- Progressos técnicos na Idade Média




PRINCIPIAS CARACTERÍSTICAS DA Primeira Revolução Industrial: 
- Surgimento da Máquina a Vapor
- Carvão como principal fonte de energia
- Força de trabalho não especializada nem qualificada
- Predomínio da Indústria Têxtil



OBSERVAÇÃO:
O setor mais importante da economia foi o têxtil e utilizou como força motriz o carvão mineral.

RELEMBRANDO ISSO SÓ FOI POSSÍVEL DEVIDO O QUE? 

Essa transformação foi possível devido a uma combinação de fatores, como:
- o liberalismo econômico,
- a acumulação de capital (da burguesia inglesa) e
- uma série de invenções(MÁQUINA A VAPOR).
- Presença de jazidas carboníferas (carvão mineral) no território inglês, já que as primeiras máquinas eram movidas a vapor.
E QUAL FOI A CONSEQUENCIA DISSO?
No aspecto socioeconômico
Esse período foi marcado pela supremacia do liberalismo econômico, defendido pelo economista DAVID RICARDO (1772 – 1823) EM SUA OBRA “princípios da Economia e tributação”, ele mostra as suas ideias com relação aos salários:
“o preço da força de trabalho deveria ser o equivalente ao mínimo necessários para a sobrevivência do individuo”
E segundo o mesmo economista:
“O Estado não deve ter qualquer interferência na economia”
E NA VIDA SOCIAL E ECONOMICA DOS PROLETARIADO?
As condições de vidas em que viviam os operários e seus familiares eram desumanos. Viviam aos amontoados nos subúrbios dos grandes centros urbanos da época.
Os salários pagos a esses trabalhadores eram baixos e o regime rígido e extremamente disciplinador da fábrica obrigava homens, mulheres e até mesmo crianças a jornadas de trabalho que beiravam as dezoito horas por dia. Sem conforto, sujeitos a baixos salários, sem leis trabalhistas e pouco organizados inicialmente, os trabalhadores sofriam a profunda exploração de um capitalismo "selvagem" fundamentado na "mais valia". Em consequência dos problemas sociais gerados pela Revolução Industrial, começaram a surgir as primeiras Revoltas Operárias.

DIFUSÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO

A Revolução Industrial, inicialmente, ficou restrita à Inglaterra (século XVIII), mas, ao longo do século XIX, expandiu-se pela Europa e por outras regiões do mundo.
O primeiro país a se industrializar na Europa, utilizando basicamente capitais e técnicas inglesas, foi a Bélgica, a partir de 1830.
A França, por volta de 1850, após a Revolução Francesa e um processo lento de evolução de suas pequenas oficinas e manufaturas, começou o seu processo de industrialização.
No ano de 1870, após concluir seu processo de unificação, a Alemanha introduziu a maquinofatura num processo marcado pela velocidade e liderança do Estado. A Prússia comandou tanto o processo de unificação política como a industrialização alemã (Via Prussiana).
Também, logo após o processo de unificação política, por volta de 1870, teve início, no norte da Itália (Piemonte), o processo italiano de mecanização.
Fora da Europa, a industrialização atingiu os Estados Unidos e o Japão (final do século XIX).
No caso norte-americano, o processo deu-se principalmente após a Guerra de Secessão (1861-65), que integrou o país e permitiu a industrialização, em especial no norte.
O Japão, ao final do século XIX, sob os efeitos da Revolução Meiji, conseguiu a eliminação dos vestígios feudais e, com forte influência do modelo alemão de industrialização, promoveu suas mudanças estruturais.
IMPORTANTE:
Foi nessa fase que o capitalismo tornou-se o sistema econômico hegemônico e dominante (consolidou-se)



CONSEQUÊNCIAS GERAIS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL PARA O MUNDO CAPITALISTA:
- Consolidação do Capitalismo como sistema dominante
- Mudança do Capitalismo Comercial (Mercantilismo) para o Capitalismo Industrial
(Produção e Livre-Concorrência)
- Aperfeiçoamento dos meios de transporte
- Urbanização acelerada
- Surgimento do Operariado
- Maior divisão técnica do trabalho
- Surgimento da Questão Social (condições miseráveis dos trabalhadores)
- Separação entre capital e trabalho – Quem tem os meios de produção e quem tem somente sua força de trabalho.



Atividade de Fixação:

UVA 2009..2  - Embora altamente concentrada nos países desenvolvidos, a atividade industrial é uma realidade mundial e também um poderoso instrumento de dominação política, econômica, e estratégica. Os fundamentos da indústria surgiram na _________________no  decorrer  do século______________ e a principal fonte de energia básica da Revolução Industrial foi ____ 

a) França – XVII – lenha.                                           b) Inglaterra – XVIII – carvão mineral
c) Alemanha – XIX – carvão mineral                      d) China – XX – petróleo

Resposta: B
Comentário
 A Inglaterra foi o berço da Revolução Industrial iniciada no século XVIII, com a invenção da máquina de fiar, movida a vapor, cujo o combustível utilizado era o carvão mineral

 (IBMECSP) Assinale a alternativa correta sobre as modificações ocorridas no mundo do trabalho a partir da Revolução Industrial:
a) Desde o início da industrialização sindicatos e partidos comunistas já se colocavam à frente dos operários para reivindicar melhores condições de trabalho.
b) Os artesãos foram desaparecendo à medida que o número de trabalhadores fabris aumentava pela multiplicação das máquinas.
c) Havia profundas diferenças entre os operários das fábricas e os artesãos, pois estes últimos estavam estabelecidos no campo de onde forneciam seus produtos para as cidades.
d) Apesar das privações passadas pelos operários a presença constante dos patrões dentro das fábricas aliviava as tensões grevistas.
e) As condições de trabalho do campo e da cidade eram as mesmas, existindo em ambas a figura do capataz, o regime de privações, e a igreja como refúgio espiritual.

(IBMECRJ) "A expressão Revolução Industrial tem sido utilizada para designar um conjunto de transformações econômicas, sociais e tecnológicas que teve início na Inglaterra, na segunda metade do século XVIII. Em pouco tempo, essas mudanças afetariam outros países da Europa e outros continentes, alterando definitivamente as relações entre as sociedades humanas."
                  FIGUEIRA, D. G. "História". São Paulo: Ática, 2005. p. 193.

Sobre esse tema são feitas as seguintes afirmativas:

I - A produção de tecidos foi um dos primeiros setores a desenvolver o processo industrializador.
II - Ao aumentar a produtividade de cada trabalhador, aumentou a oferta de mercadoria e, por consequência, possibilitou uma redução nos preços dos produtos.
III - O sucesso da Revolução Industrial foi tão significativo que originou um apoio à utilização de máquinas, processo que ficou conhecido como ludismo.

Assinale:
a) Se apenas a afirmativa I for correta.
b) Se apenas a afirmativa II for correta.
c) Se apenas a afirmativa III for correta.
d) Se as afirmativas I e II forem corretas.
e) Se as afirmativas II e III forem corretas.

UFC – A Primeira Revolução Industrial provocou uma grande  transformação no espaço geográfico. A esse respeito, leia as afirmações abaixo.

I. Aconteceu um intenso processo de urbanização, e as cidades  passaram a comandar as atividades econômicas e a organização do espaço geográfico.
II. Com a ampliação da divisão internacional do trabalho, alguns países europeus especializaram-se na produção industrial, controlando o mercado mundial de produtos industrializados.
III. Aconteceram grandes mudanças no modo de produção, sem implicações na organização política e territorial da Europa.

Assinale a alternativa correta.

(a) Apenas I é verdadeira.
(b) Apenas III é verdadeira.
(c) Apenas I e II são verdadeiras.
(d) Apenas II e III são verdadeiras.
(e) I, II e III são verdadeiras.

IBMEC – A Revolução Industrial, ocorrida a partir de meados do século XVIII, se caracterizou em seu início pelo desenvolvimento tecnológico em algumas áreas. Dentre elas podemos destacar:

a) o desenvolvimento da indústria química e da mineração, com o uso do aço na indústria pesada e aproveitamento do carvão como combustível.
b) desenvolvimento da indústria têxtil com aproveitamento das máquinas a vapor e da indústria naval com o desenvolvimento do aço e alumínio.
c) incremento da indústria com o aproveitamento da energia elétrica e da ferrovia como meio de transporte.
d) crescimento do setor de mineração e metalurgia com ferro, aço e alumínio, além do início do uso do petróleo como combustível.
e) o desenvolvimento da máquina a vapor, dos teares mecânicos (algodão), da mineração (carvão) e da metalurgia (ferro).

UVA 2010.2 –
Questão: A Inglaterra foi o primeiro país a se industrializar porque foi nesse país que, pela primeira vez na história, se reuniram as condições fundamentais para a eclosão do processo de industrialização, tais como:
1 – maior acúmulo de capitais durante o capitalismo comercial.
2 – consolidação precoce da burguesia no poder.
3 – disponibilidade de grandes bacais petrolíferas e escassez de mão-de-obra.
4 – desenvolvimento, no país, dos principais avanços tecnológicos da época.

Estão corretas:
 a) (  ) somente os itens  1,2 e 3.          b) (  ) somente os itens  1,2 e 4.
c) (  ) somente os itens  2,3 e 4.          d) (  ) todos os itens.

UVA 2011.1 –
Questão: A revolução Industrial foi um processo marcante na história da humanidade porque deu origem a um novo segmento econômico – a atividade fabril – e criou uma nova função para as cidades – o espaço urbano deixou de ser apenas um lugar de consumo e de comercialização para  ser também o lugar de produção de bens industriais e de serviço.

Entre a segunda metade do século XVIII e os dias atuais, podem-se estabelecer três etapas históricas no desenvolvimento da atividade industrial, em função dos avanços científicos e tecnológicos alcançados pela humanidade. São elas: Primeira, Segunda e Terceira Revolução Industrial.

Sobre os enunciados abaixo, marque a opção que corresponde a Segunda revolução Industrial.

I – invenção de importantes engenhos, como a máquina à vapor, o uso do carvão como fonte de energia primária e do trem como principal meio de transporte;
II – grandes descobertas científicas e os avanços tecnológicos como o uso do petróleo para a produção de energia, a invenção dos motores de combustão interna e do aço de alta resistência, entre outros.
III – integração efetiva entre ciência, tecnologia e produção, ou seja, as descobertas científicas passaram a ter aplicação imediata no processo produtivo.
  A opção correta:
a) somente a I                         b) somente a II
c) Somente a III                      d) somente a I e II


SEXTA SEMANA AULAS: 11 e 12
ASSUNTO:A SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O CAPITALISMO IMPERIALISTA
Objetivos da Aula:

Então vamos lá!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
OLÁ pessoal!! TUDO BEM???
Hoje vamos falar sobre a SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Então vamos lá!!!
A Segunda Revolução Industrial ocorrida, fundamentalmente, a partir da terceira década do século XIX, provocou profundas transformações no Sistema Capitalista de Produção.

Por quê?
Bem pessoal!!
A Segunda Revolução Industrial foi baseada no profundo avanço da Ciência Moderna e da Tecnologia da época e representou um aprimoramento técnico e científico da Primeira Revolução Industrial como:
- forte desenvolvimento tecnológico, principalmente elétrico, químico, siderúrgico;
Antes: o desenvolvimento da máquina a vapor, dos teares mecânicos (algodão), da mineração (carvão) e da metalurgia (ferro).
PRINCIPAIS MUDANÇAS
- utilização do petróleo e da energia elétrica como fonte de energia SUBSTITUINDO carvão mineral era a fonte de energia, isto é, combustível.
- Utilização da motor a combustão interna SUBISTITUINDO máquina a vapor

 O QUE FEZ SURGIR OUTROS TIPOS DE INDUSTRIAS, VEJA:
-  metalúrgicas, as siderúrgicas (na produção do aço) que movimentava outros tipos de industrias como a automobilística (através do moto de combustão interna) e do surgimento das industrias petrolíferas (que extraiam o petróleo do subsolo) e das petroquímicas (que industrializavam-no a partir da transformação do petróleo em gasolina, diesel e etc...) para atender a demanda da nova fornte de energia. OK
Antes: só tínhamos a indústria têxtil
OUTRA INOVAÇÃO FOI A:

- utilização do sistema de linha de produção dentro das fabricas que dividia ainda mais o trabalho dentro das industrias. Isto é, surgiu uma divisão do trabalho ainda mais acentuada, isto é = organização do trabalho dentro de uma unidade produtiva, como a indústria, em função da tecnologia empregada
Nesse aspecto organizacional da industria surgiram novos modelos de produção, destacando-se o fordismo e o taylorismo. 
 
-No fordismo, ocorria a produção em série, na qual cada operário fazia uma tarefa simples na produção de uma mercadoria, havendo nítida divisão do trabalho. A esteira unia os operários, pois dela originava-se a mercadoria total ou completa. Aumenta-se a alienação, pois o operário não dominava mais o todo.
- No taylorismo, apareceu o modelo gerencial do trabalho, ocorrendo a divisão entre o fazer e o pensar, enfatizando a divisão técnica. Houve controle rígido sobre o processo de trabalho, valorizando-se o supervisor e o encarregado.
OUTRA CARACTERÍSTICA IMPORTANTÍSSIMA FOI QUE:
 
- Ocorreu a formação de sociedades anônimas de trustes e cartéis, isto é, PELA CISÃO ENTRE PROPRIEDADE E ADMINISTRAÇÃO — nas antigas empresas patrimoniais, o dono ou os donos controlavam a administração da produção e gerenciamento de suas firmas. A crescente complexidade do capitalismo, com a implantação de enormes conglomerados, tornou necessária a criação das sociedades anônimas, apropriadas pelos detentores de ações. Nelas, os donos (acionistas) não mais administram e os quadros burocráticos administrativos não são proprietários, tendo com o capital da empresa um vínculo empregatício e salarial.
CONTEXTUALIZANDO:
Foi um período de profundas transformações, como:
  • mudanças na organização econômica com o surgimento de sociedades bancárias mais poderosas, que passaram a controlar o crédito, interferindo no desenvolvimento do setor industrial.
  • aparecimento das novas estruturas de empresas: sociedade por ações (que eram negociadas nas bolsas de valores)  -  fortalecimento do capital financeiro, que tende a unir-se ao capital industrial.
  • inovações nas fontes de energia: petrolíferas e elétricas (permitindo entre 1868 e 1880 o motor a explosão interna e o desenvolvimento do automóvel e mais tarde da aviação).
  • inovações técnicas e novos inventos:
  • desenvolvimento das indústrias química e metalúrgica: corantes, graxas, combustíveis, explosivos, fotografia, melhoria na produção do aço, alumínio, etc.
  • tecnologia traz conforto aos lares: máquina de costura, fogão a gás, etc.
  • melhoria e novos inventos nas comunicações, como telégrafo elétrico, cabo submarino, telefone, rádio, ferrovias, navio a vapor, trens metropolitanos (o primeiro em Londres em 1860).
EXEMPLIFICANDO:
O presidente e os diretores de empresas como a General Motors, a Volkswagen e a Mitsubishi, por exemplo, são, embora recebendo bons salários, meros empregados. Dentre os motivos da formação das sociedades anônimas está o fato de que, nelas, os acionistas não respondem com seu patrimônio, o que permite voos empresarias de alto risco. Um bom exemplo disto foi a criação da empresa construtora do canal de Suez, que exigia enormes investimentos e oferecia graves riscos. Nenhuma capitalista, por mais próspero que fosse, estava disposto a arriscar seus bens em caso da falência da empreiteira que assumisse a edificação do canal. Vendidas ações no mercado financeiro, milhares e milhares de ingleses e franceses raciocinaram, que se o projeto tivesse êxito, ficariam ricos. Se ocorresse o contrário, perderiam somente os poucos francos e libras investidos nas ações. Uma conseqüência dessa separação entre a propriedade e a administração das empresas foi a emergência de uma “nova classe média”, não mais o pequeno proprietário, o profissional liberal e o funcionário público, mas um segmento social que possuía “saber especializado” para vender ao capital ( engenheiros, técnicos, executivos, etc ). O surgimento desse novo setor social, contrariando a profecia de Karl Marx de que ocorreria o desaparecimento das classes médias pela concentração de capital nas mãos de alguns e pela proletarização crescente da maioria da sociedade, foi um fator que impediu a revolução socialista na Europa Ocidental e nos Estados Unidos da América;
E
PELA INTEGRAÇÃO ENTRE AS INDÚSTRIAS E OS BANCOS — os capitalistas passaram a captar no sistema financeiro recursos para o incremento da produção e, ao mesmo tempo, investiam seus lucros nos mercados financeiros buscando a aceleração da acumulação de capital. Esta, agora, amplamente aumentada, possibilitaria o aparecimento de grandes fortunas, tais como os Morgan, Rockefeller, e os Rothschild, dentre outros;

E
PELO SURGIMENTO E A CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALISMO OLIGOPOLISTA— Nasciam, no período, os oligopólios, ou seja, enormes conglomerados empresariais que dominam os diversos ramos da produção econômica e da oferta de serviços. Estes oligopólios se apresentam em três formas:“trusts”, “holdings” e os “cartéis”.
 
- Monopólio: ocorre quando uma empresa domina a oferta de um determinado produto ou serviço. Uma forma mais aprimorada de monopólio é o oligopólio, quando um grupo de empresas domina o mercado de um determinado produto ou serviço.
Podem-se citar as seguintes formas de oligopólio:
- Cartel: formado por empresas independentes que fazem produtos semelhantes e têm acordos para dominar o mercado desses produtos;
- Truste: empresas que abrem mão de sua independência legal e se unem para constituir uma única organização. Os trustes podem ser:
  a) Horizontais, constituídos por empresas que trabalham com o mesmo ramo de produtos.
  b) Verticais, formados por empresas que cuidam de todo o processo de produção: desde a matéria-prima até o produto acabado. Por exemplo, uma empresa que controla desde a plantação de cana-de-açúcar até a produção de açúcar e álcool;
- Conglomerado: é constituído por empresas que diversificam sua produção para dominar a oferta de certos produtos ou serviços. Geralmente é dominada por um HOLDING.
- HOLDING: é o estágio mais avançado do capitalismo. Num holding uma empresa, criada para administrar outras possui a maioria das ações. As grandes corporações usam essa forma de administração.

PRINCIPAL CONSEQUÊNCIA DISSO NO PLANO GEOPOLÍTICO FOI QUE:
- Os Estados Unidos e Alemanha despontaram como grandes potências mundial a partir do processo de industrialização em que passava o planeta. A Europa foi industrializada o que levou uma maior concorrência entre os países industrializados desse continente dentro e fora da Europa por novos mercados consumidores . 
 
Como consequência da disputa de mercado consumidor houve uma corrida NEOCOLONIALISTA E O IMPERALISMO — o extraordinário aumento da produção, em razão de uma tecnologia crescentemente sofisticada, gerou excedentes que superavam a demanda dos mercados dos países ricos; além disso, os lucros dos capitalistas proporcionaram excedentes de capital que precisavam ser aplicados no setor de serviços dos países periféricos ao Continente Europeu. Também as nações hegemônicas se viam diante do desafio da explosão demográfica e necessitavam de áreas externas para a fixação de contingentes populacionais e, por fim, a indústria dos países centrais ainda precisava de matérias primas produzidas pelas áreas periféricas. Todas estas razões levaram à corrida imperialista em direção à Ásia e à África que consubstanciou a fase imperialista do capitalismo.

IMPORTANTE: VEJA O QUANDRO SÍNTESE
É NESSA SEGUNDA FASE DO CAPITALISMO INDUSTRIAL QUE SE INICIA UMA OUTRA ETAPA DO CAPITALISMO o chamado Capitalismo financeiro –que inicia-se a partir das guerras mundiais e da atuação das bolsas de valores e dos bancos e instituições financeiras globalizadas.
IMPORTANTE:
As principais fontes de renda passam a ser as grandes aplicações e transações financeiras. 

REFLEXÃO:O capital acumulado nas etapas anteriores precisava de outras atividades, além da atividade industrial, para ser multiplicado. 
ENTÃO O QUE FOI QUE FIZERAM OS CAPITALISTA?

Estes passaram a criar as instituições financeiras. o que determinou o desenvolvimento dos bancos, das corretoras de valores e dos grandes grupos empresariais iniciando um processo de concentração do capital.

Bem Pessoal!!! A união do capital industrial com o capital de financiamento (bancário) deu origem ao capital financeiro, que é a própria essência do capitalismo, caracterizado pêlos mercados de capitais negociados nas bolsas de valores.

 E QUAIS FORAM AS SUAS PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIA DISSO NO CAMPO POLÍTICO ECONÔMICO?
  
Surgem os monopólios e os oligopólios
 

A concentração de capital nas mãos de poucas pessoas ou empresas trouxe, como consequências, a monopolização e, depois, a oligopolização de vários setores da economia, que passaram a ser dominados por grandes grupos econômicos. O objetivo da união de empresas era enfrentar a concorrência, que ficava cada vez maior.
IMPORTANTE
O monopólio ocorre quando uma empresa do¬mina a oferta de determinado produto ou serviço. Uma forma mais aprimorada de monopólio é o oligopólio, quando um grupo de empresas domina o mercado de determinado produto ou serviço.
 
Podemos citaras seguintes formas de oligopólio:
 
Cartel. Formado por empresas independentes, que fazem produtos semelhantes e têm acordos para dominar o mercado desses produtos, como, por exemplo, montadoras de veículos, empresas de tabaco, de exploração de petróleo, etc.
Truste. Empresas que abrem mão de sua indepen¬dência, legal e se unem para constituir uma única organização
Conglomerado. É constituído por empresas que diversificam sua produção para dominar a oferta de certos produtos ou serviços. Geralmente é admi¬nistrado por uma holdíng. Um exemplo de conglo¬merado é uma empresa que atua em vários ramos de produção, como a Mitsubishi, que fabrica car¬ros, televisores, canetas.
Holdíng. É o estágio mais avançado do capitalismo. Numa holding, uma empresa, criada para administrar outras, possui a maioria das ações. As grandes corporações usam essa forma de administração.



Atividade de Fixação:

UVA 2012.1 –
Questão: A grande revolução no modo de produzir mercadorias iniciou-se na Inglaterra, entre meados do século XVIII e meados do século XIX, espalhou-se para outros países. Este período é conhecido por Primeira Revolução Industrial.

A partir de meados do século XIX, período conhecido como Segunda Revolução Industrial, novas invenções se sucederam e grandes modificações ocorreram nas condições de vida e na velocidade dos transportes, entre outros.

São algumas características da Segunda Revolução industrial, exceto:

a) (   ) O surgimento de novas formas de organização industrial.
b) (   ) O uso da energia a vapor e pelas construções das primeiras estradas de ferros
c) (    ) A produção em larga escala.
d) (    ) A formação de sociedades anônimas, de trustes e cartéis


(UNIFOR) A Segunda Revolução Industrial ocorrida, fundamentalmente, a partir da terceira década do século XIX, provocou profundas transformações no Sistema Capitalista de Produção. Sobre este fato histórico é incorreto afirmar:

a) A Segunda Revolução Industrial foi baseada no profundo avanço da Ciência Moderna e da Tecnologia.
b) A Segunda Revolução Industrial provocou a concentração e a centralização do Capital.
c) A Segunda Revolução Industrial levou ao Imperialismo.
d) Os principais setores da Segunda Revolução Industrial foram o têxtil e o metalúrgico.
e) Durante a Segunda Revolução Industrial, a Inglaterra perdeu o domínio da produção de bens industrializados.

(FGV-RJ) A chamada Segunda Revolução Industrial, ocorrida nas últimas décadas do século XIX, foi caracterizada:
a) pela concentração do processo de industrialização na Inglaterra e pela montagem do império colonial britânico.
b) pelo desenvolvimento da eletricidade e da siderurgia e pela expansão da industrialização para além do continente europeu.
c) pela industrialização e pela formação de Estados nacionais no continente africano, a partir das suas antigas fronteiras culturais e linguísticas.
d) pelo equilíbrio de forças entre as antigas colônias europeias e os Estados europeus devido à difusão da industrialização.
e) pela retração da economia mundial devido à mecanização da produção e à diminuição da oferta de produtos industrializados.

(UEL) Sobre a Revolução Industrial nos séculos XVIII e XIX, é correto afirmar.
a) Uma condição indispensável para a transição do artesanato para a manufatura e desta para a indústria moderna foi a concentração da propriedade dos meios de produção nas mãos do capitalista.
b) O crescimento industrial na Inglaterra resultou em um processo conhecido como "segunda servidão", na qual os antigos servos rurais foram transferidos para as indústrias urbanas, visando ao aumento de produtividade das mesmas.
c) Embora detivessem o poder político, tanto a burguesia rural como a aristocracia urbana não possuíam capitais que possibilitassem o desenvolvimento da Revolução Industrial, sendo esta, portanto, financiada pelos pequenos proprietários rurais.
d) A industrialização na Grã-Bretanha iniciou-se com a instalação das indústrias de bens de capital (aço e maquinário) e, depois de estruturada essa base, partiu-se para a produção de bens de consumo semiduráveis e não duráveis (tecidos, alimentos, bebidas).
e) Por não haver complementaridade entre a atividade industrial e a pecuária (gado bovino, ovino), este foi o setor mais duramente atingido pela conversão da Europa rural em industrial.



SETIMA SEMANA AULAS:  13 E14
ASSUNTO:O CAPITALISMO E  AS DITs - DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO
Objetivos da Aula:

A divisão internacional do trabalho é a “distribuição das atividades econômicas ao redor do globo”. Lembre-se que isso segue um contexto de desenvolvimento e capacidade tecnológica, ou seja, não há qualquer orgão ou país que determine essa divisão, e os países que não conseguem se desenvolver mais não estão nessa condição porque querem, mas porque sua formação histórica-econômica o conduziu a isso.
Basicamente são consideradas duas “Divisões internacionais do trabalho” – a velha e a nova.

Velha divisão internacional do trabalho:

             Vigente até o início do século passado, considera como fator de divisão a existência ou não da atividade industrial, antes restrita aos países desenvolvidos. Tínhamos, portanto:
Países desenvolvidos: produtores/exportadores de bens industrializados.
Países subdesenvolvidos: produtores/exportadores de matérias-primas.

Nova divisão internacional do trabalho:
             É a atual divisão, onde surgem os países subdesenvolvidos industrializados (também chamados “emergentes” ou “países em desenvolvimento”). Temos, portanto:
Países desenvolvidos: produtores/exportadores de tecnologia.
Países subdesenvolvidos industrializados: produtores/exportadores de bens industrializados.
Países subdesenvolvidos: produtores/exportadores de matérias-primas.


Observe que:
            
- Essa nova divisão não significa que os países exportem apenas esse tipo de produtos, ou seja, os países desenvolvidos, por exemplo, também exportam produtos industriais mais simples e até mesmo matérias-primas.
            
- O Brasil enquadra-se nos países subdesenvolvidos industrializados, possuindo um amplo parque industrial, mas lembre-se que os bens agromineradores (primários) respondem por boa parte de nossas exportações.
            
- A tecnologia exportada pelos países desenvolvidos na atual divisão internacional do trabalho é aquela presente em seus bens industriais de alta tecnologia, franquias, royalties e patentes (esses últimos referem-se ao pagamento por uso de uma marca, produto, tecnologia ou conhecimento registrado pelos seus desenvolvedores). 



A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO
Acompanhando as mudanças ocorridas com a evolução do capitalismo, as relações entre os países e suas especializações no mercado internacional (DITs) também se modificam.

DIT do Período Colonial
As regras das relações entre metrópoles e colônias foram estabelecidas pelo pacto colonial, segundo o qual a colônia só podia manter relações comerciais com a metrópole. Surgiu assim a primeira divisão internacional do trabalho (DIT), caracterizada pelo envio de matérias-primas das colônias para as metrópoles e de produtos manufaturados das metrópoles para as colônias
DIT do imperialismo. Entre o período que vai do final da primeira guerra mundial (1918) até o final da segunda (1945), algumas potencias ocidentais (Inglaterra, França, Holanda) ainda mantinham suas colônias na Ásia e na África. Portanto, a divisão internacional do trabalho permanece a mesma da fase do imperialismo ou do capitalismo industrial.
                    Matérias-primas
                              COLÔNIAS -------------------------- METRÓPOLES
                                                                           Produtos industrializados

A descolonização da áfrica e da Ásia, o surgimento dos países subdesenvolvidos industrializados e expansão das transnacionais estabeleceram três DITs bem diferentes, que se sucederam durante a fase do capitalismo financeiro.


DIT clássica: com a descolonização da Ásia e da África (1947-1975), os novos países surgidos nesses continentes passaram a fazer parte, ao lado das antigas colônias e da América, do conjunto dos países subdesenvolvidos. Estabeleceu-se, então, o que denominamos DIT clássica, que caracteriza as relações entre os países desenvolvidos e os países subdesenvolvidos não industrializados.
Matérias-primas
PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS ------------------------------ PAÍSES DESENVOLVIDOS
NÃO INDUSTRIALIZADOS
                                                                                     Produtos industrializados
                                                                                     Investimentos e concessão
                                                                                     de empréstimos.
DIT da nova ordem mundial: nesse mesmo período, com a industrialização de alguns países subdesenvolvidos, outra DIT passou a conviver com a DIT clássica. Essa nova divisão internacional do trabalho é muito mais complexa, envolvendo o fluxo de mercadorias e de capitais, de ambos os lados. Esses países subdesenvolvidos deixaram de ser unicamente fornecedores de matéria-prima para os países desenvolvidos.
- Produtos industrializados,
- Tecnologia;
- capital – empréstimos e investimentos
produtivos e especulativos.
PAÍSES ----------------------------------------------------------------------------   PAÍSES SUBDESEN- DESENVOLVIDOS                                                              VOLVIDOS                    INDUSTRIALIZADOS.
 
                                                         - Matéria-prima, produtos industrializados.
                                                         - capital –lucro das transnacionais
                                                         - capital especulativo, pagamento de juros.
                                                         - divida externa, e royalties pela propriedade intelectual



Atividade de Fixação:

Atividade prática ou lúdica:
OITAVA SEMANA AULAS:  13 E14
ASSUNTO:RESOLUÇÃO DE EXERCICIOS DE VESTIBULARES E ENEM
Objetivos da Aula:


ATIVIDADE DE FIXAÇÃO

-->
01 Questão:
(ENEM 2009) A prosperidade induzida pela emergência das máquinas de tear
escondia uma acentuada perda de prestígio. Foi nessa idade de ouro que os artesãos, ou os tecelões temporários, passaram a ser denominados, de modo genérico, tecelões de teares manuais. Exceto em alguns ramos especializados, os velhos artesãos foram
colocados lado a lado com novos imigrantes, enquanto pequenos fazendeiros-tecelões abandonaram suas pequenas propriedades para se concentrar na atividade de tecer. Reduzidos à completa dependência dos teares mecanizados ou dos fornecedores de matéria-prima, os tecelões ficaram expostos a sucessivas reduções dos rendimentos.

THOMPSON, E. P. The making of the english working class. Harmondsworth: Penguin Books, 1979 (adaptado).

Com a mudança tecnológica ocorrida durante a Revolução Industrial, a forma de
trabalhar alterou-se porque

A) a invenção do tear propiciou o surgimento de novas relações sociais.
B) os tecelões mais hábeis prevaleceram sobre os inexperientes.
C) os novos teares exigiam treinamento especializado para serem operados.
D) os artesãos, no período anterior, combinavam a tecelagem com o cultivo de
subsistência.
E) os trabalhadores não especializados se apropriaram dos lugares dos antigos artesãos nas fábricas.

02 questão:
(ENEM 2010) A Inglaterra pedia lucros e recebia lucros. Tudo se transformava
em lucro. As cidades tinham a sua sujeira lucrativa, suas favelas lucrativas, sua
fumaça lucrativa, sua desordem lucrativa, sua ignorância lucrativa, seu desespero
lucrativo. As novas fábricas e os novos alto-fornos eram como as Pirâmides,
mostrando mais a escravização do homem que o seu poder.
DEANE, P. A Revolução Industrial. Zahar, 1979 (adaptado)

Qual relação é estabelecida no texto, entre os avanços tecnológicos ocorridos no
contexto da revolução Industrial Inglesa, e as características das cidades
industriais no início do século XIX ?

a) A facilidade em se estabelecer relações lucrativas, transformava as cidades
em espaços privilegiados para livre iniciativa, característica da nova
sociedade capitalista.
b) O desenvolvimento de métodos de planejamento urbano, aumentava a
eficiência do trabalho industrial.
c) A construção de núcleos urbanos integrados por meios de transporte
facilitava o deslocamento dos trabalhadores das periferias até as fábricas.
d) A grandiosidade dos prédios onde se localizavam as fábricas, revelavam os
avanços da engenharia e da arquitetura do período, transformando as
cidades em locais de experimentação estética e artística.
e) O alto nível de exploração dos trabalhadores industriais,ocasionava o
surgimento de aglomerados urbanos ,marcados por péssimas condições de
moradia, saúde e higiene.

03 Questão:
(ENEM 2009) Até o século XVII, as paisagens rurais eram marcadas por atividades rudimentares e de baixa produtividade. A partir da Revolução Industrial, porém, sobretudo com o advento da revolução tecnológica, houve um desenvolvimento contínuo do setor agropecuário. São, portanto, observadas consequências econômicas, sociais e ambientais inter-relacionadas no período posterior à Revolução Industrial, as quais incluem

a) a erradicação da fome no mundo.
b) o aumento das áreas rurais e a diminuição das áreas urbanas.
c) a maior demanda por recursos naturais, entre os quais os recursos energéticos.
d) a menor necessidade de utilização de adubos e corretivos na agricultura.
e) o contínuo aumento da oferta de emprego no setor primário da economia, em face da mecanização.

04 questão:
(ENEM 2001) “... Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação da cabeça do alfinete; para fazer a cabeça do alfinete requerem-se 3 ou 4 operações diferentes; ...”

(SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Investigação sobre a sua Natureza e suas
Causas. Vol. I. São Paulo: Nova Cultural, 1985).


A respeito do texto e do quadrinho são feitas as seguintes afirmações:
I. Ambos retratam a intensa divisão do trabalho, à qual são submetidos os perários.
II. O texto refere-se à produção informatizada e o quadrinho, à produção artesanal.
III. Ambos contêm a idéia de que o produto da atividade industrial não depende do
conhecimento de todo o processo por parte do operário.
Dentre essas afirmações, apenas

a) I está correta.
b) II está correta.
c) III está correta.
d) I e II estão corretas.
e) I e III estão corretas.

05 Questão:
A economia solidária foi criada por operários, no início do capitalismo industrial,
como resposta à pobreza e ao desemprego que resultavam da utilização das máquinas, no início do século XIX. Com a criação de cooperativas (de produção, de prestação de serviços, de comercialização ou de crédito), os trabalhadores buscavam independência econômica e capacidade de controlar as novas tecnologias, colocando-as a serviço de todos os membros da empresa. Essa ideia persistiu e se espalhou: da reciclagem ao microcrédito, já existem milhares de empreendimentos desse tipo hoje em dia, em várias partes do mundo. Na economia solidária, todos os que trabalham são proprietários da empresa. Trata-se da possibilidade de uma empresa sem divisão entre patrão e empregados, sem busca exclusiva pelo lucro e mais apoiada na qualidade do que na quantidade de trabalho, em convivência com a economia de mercado.

SINGER, Paul. A recente ressurreição da economia solidária no Brasil. Disponível em:
http://www.cultura.ufpa.br/itcpes/documentos/ecosolv2.pdf. Acesso em: 23 mar. 2009.
(com adaptações).

A economia solidária, no âmbito da sociedade capitalista, institui complexas relações sociais, demonstrando que

a) fraternidade entre patrões e empregados, comum no cooperativismo, tem gerado
soluções criativas para o desemprego desde o início do capitalismo.
b) a rejeição ao uso de novas tecnologias torna a empresa solidária mais
ecologicamente sustentável que os empreendimentos capitalistas tradicionais.
c) a prosperidade do cooperativismo, assim como a da pirataria e das formas de
economia informal, resulta dos benefícios do não pagamento de impostos.
d) as contradições inerentes ao sistema podem resultar em formas alternativas de
produção.
e) o modelo de cooperativismo dos regimes comunistas e socialistas representa uma
alternativa econômica adequada ao capitalismo.

Gabarito
1) D
2) E
3) C
4) E
5) D




07 Questão:
(UNIFEI) As nações industrializadas européias partiram em fins do século XIX e no início do século XX para um processo de disputa por territórios na África, na Ásia e também na América Latina. Os termos Imperialismo e Neocolonialismo são usados para designar o processo de dominação que se estabeleceu a partir de então sobre os territórios e povos desses continentes. Levando em consideração esse momento da expansão do capitalismo, assinale a alternativa incorreta.

a) O Neocolonialismo surgiu quando a burguesia das nações industrializadas desenvolvidas rejeitou as fronteiras nacionais porque passou a considerá-las como barreiras à expansão econômica do capital.
b) O ”darwinismo social” serviu como justificativa ideológica para o domínio das potências ocidentais sobre a África e a Ásia

.c) O principal objetivo do Neocolonialismo era a implementação do sistema de feitorias nos continentes asiático e africano.
d) As grandes empresas e os bancos procuraram garantir o controle das fontes de matérias-primas e dos mercados consumidores para os produtos industrializados.

08 Questão:
(PUCMG) As mudanças do sistema capitalista a partir de 1870/1880, nas sociedades mais industrializadas, tiveram como característica principal:
a) Fortalecimento da democracia como regime mais racional na condução dos povos civilizados.
b) Fortalecimento das práticas de livre-cambismo devido à concorrência perfeita desenvolvida no capitalismo da época.

c) Aumento da concentração e da centralização do capital monopolista dentro da lógica do imperialismo.
d) Aparecimento de uma nova esquerda, fundadora de uma ética mais humanista e voltada para os interesses populares.

09 Questão:
(PUCPR) A partir da segunda metade do século XIX, as potências européias começaram a disputar áreas coloniais na África, na Ásia e na Oceania. Seus objetivos eram a busca por fontes de matérias-primas, mercado consumidor, mão-de-obra e oportunidades para investimento. As justificativas morais para essa colonização, no entanto, estavam relacionadas com o que se chamava de darwinismo social, cujo significado é:
a) O homem branco tinha a tarefa de cristianizar as populações pagãs de outros continentes, resgatando-as de religiões animistas e de práticas antropofágicas.
b) O homem branco de origem européia estava imbuído de uma missão civilizadora, através da qual deveria levar para seus irmãos de outras cores, incapazes de fazer isso por si mesmos, as vantagens da civilização e do progresso, resgatando-os da barbárie e do atraso aos quais estavam submetidos.
c) Os colonizadores europeus tinham a tarefa de ensinar os princípios fundamentais da democracia, ensinando aos povos colonizados o processo de governo democrático, permitindo-lhes se afastar de governos tirânicos e autocratas.
d) A colonização tinha como tarefa repassar aos povos colonizados os fundamentos da economia capitalista, para que eles mesmos pudessem gerenciar as riquezas de seus territórios e, com isso, possibilitar o desenvolvimento social de seu país.
e) Estudar, segundo uma perspectiva antropológica, a organização das sociedades colonizadas, conhecer seus princípios religiosos, políticos, culturais e sociais, com o objetivo de ajudar a preservá-los.

10 Questão:
(Ufpi) Sobre a expansão marítima européia nos séculos XV e XVI, podemos afirmar que:
a) Teve, na Batalha de Poitiers, marco inicial da reconquista da Península Ibérica pelos europeus, o ponto de partida.
b) Teve, na procura por mercados consumidores para os produtos manufaturados europeus, a principal motivação inicial.
c) Foi iniciada por navegantes de origem holandesa, que desde o século XIII, trafegavam pelo Mar Mediterrâneo e por rotas atlânticas nas costas africanas.
d) A constituição dos Estados de tipo moderno, aliada às necessidades de procura por metais preciosos, e de rotas alternativas para o intercâmbio comercial entre o Oriente e o Ocidente, foram fatores centrais para desencadear a expansão marítima.
e) Teve, no acelerado crescimento demográfico dos séculos XIII, XIV e XV um fator motivador, pois a procura por novos territórios, para diminuir as pressões por terras cultiváveis na Europa, era urgente.

11 Questão:
(Ufam) O Mercantilismo tem sido tradicionalmente descrito como um conjunto de idéias e práticas econômicas que visavam alcançar o desenvolvimento das nações. É INCORRETO relacionar ao Mercantilismo:
a) O metalismo
b) O protecionismo estatal
c) O livre comércio
d) O entesouramento
e) A obtenção de uma balança comercial favorável

12 Questão:
(Mack) Ao longo do século XV, Portugal e Espanha, com as viagens marítimas, expandiram extraordinariamente o conhecimento que se possuía dos limites da Terra. É considerada a principal causa do pioneirismo dessas nações nos descobrimentos

a) a geografia da Península Ibérica, muito favorável às atividades marítimas, particularmente em relação à África, tão próxima e acessível por mar.b) o fortalecimento precoce do estado monárquico, que, em grande medida, proveu as condições financeiras para as viagens e, depois, para a colonização.
c) a alta densidade demográfica na Península Ibérica, cujo excesso de população urbana pressionava por descoberta de novas terras.
d) o intenso contato com a cultura islâmica, dominante ao sul, cujos conhecimentos geográficos e técnicas de navegação eram então bem avançados.
e) o espírito aventureiro de muitos sábios que, à época, viviam nestes países, como Cristóvão Colombo e Vasco da Gama.

13 Questão:
(Urca) No final do século XIX o capitalismo enfrenta a sua primeira grande crise. Foi a Grande Depressão que colocou em alerta a sociedade industrial e da conhecida Belle Époque. Para superar tal crise, são desenvolvidas formas de concentração de capitais em torno de grandes empresas. È a fase dos monopólios e oligopólios que em sua ação expansionista, desenvolveram o Imperialismo. São representantes desses oligopólios e monopólios:
a) As Sociedades Anônimas e de capitalLimitado;
b) As Companhias Limitadas, Cooperativas e Sociedades Anônimas;
c) O Truste, o Holding e o Cartel;
d) O Truste, as Companhias Limitadas e o Cartel;
e) O Cartel, as Sociedades Anônimas e o Truste.

14 Questão:
(Unaerp) O sistema colonial teve como elemento fundamental o regime de comercio instaurado entre
metrópole e colônia. Esse sistema se baseava:
a) na livre concorrência.
b) na produção realizada por pequenos proprietários autônomos.
c) no trabalho não compulsório.
d) na policultura.
e) no monopólio colonial.

15 Questão:
Unesp/2005-2 O processo de transformação da matéria-prima em produto industrializado apresentou, em linhas gerais, as seguintes etapas evolutivas: artesanato / manufatura / indústria / revolução técnico-científica. As principais características dessas etapas são, respectivamente:

a) não utilização de máquinas e ausência de produção em série / trabalho manual e uso de máquinas sofisticadas / uso de máquinas informatizadas e produção
em série / utilização da informática e busca de novas fontes energéticas.

b) uso de máquinas simples e inexistência da divisão do trabalho / utilização da informática e da internet / trabalho manual e uso de máquinas sofisticadas / uso de
máquinas informatizadas e produção em série.
c) divisão do trabalho e não utilização de máquinas / trabalho artesanal e emprego de máquinas sofisticadas / uso de maquinário simples, produção em série e divis
ão do trabalho / utilização da informática e da internet.

d) utilização de máquinas e inexistência da divisão do trabalho / trabalho artesanal e emprego de máquinas sofisticadas / uso de maquinário simples, produção
em série e divisão do trabalho / utilização da internet e busca de novas fontes energéticas.

e) não utilização de máquinas e ausência de produção em série / trabalho manual e uso de maquinário simples / uso de máquinas, divisão do trabalho e produ-
ção em série / emprego da informática e busca de novas fontes energéticas.

16 Questão:
(Cesgranrio 90) A "partilha do mundo" (1870 -1914) resultou do interesse das potências capitalistas europeias em: 
a) investir seus capitais excedentes nas colônias, obter mercados fornecedores de matérias-primas e reservar mercados para seus produtos industrializados; 
b) desenvolver a produção de gêneros alimentícios nas colônias, visando suprir as deficiências de grãos existentes na Europa na virada do século; 
c) buscar "áreas novas" para a emigração, uma vez que a pressão demográfica na Europa exigia uma solução para o problema; 
d) promover o desenvolvimento das colônias através da aplicação de capitais excedentes em programas sociais e educacionais; 
e) favorecer a atuação dos missionários católicos junto aos pagãos e assegurar a livre concorrência comercial.
17 Questão:
(Cesgranrio 94) A industrialização acelerada de diversos países, ao longo do século XIX, alterou o equilíbrio e a dinâmica das relações internacionais. Com a Segunda Revolução Industrial emergiu o Imperialismo, cuja característica marcante foi o(a): 

a) substituição das intervenções militares pelo uso da diplomacia internacional. 
b) busca de novos mercados consumidores para as manufaturas e os capitais excedentes dos países industrializados. 
c) manutenção da autonomia administrativa e dos governos nativos nas áreas conquistadas. 
d) procura de especiarias, ouro e produtos tropicais inexistentes na Europa. 
e) transferência de tecnologia, estimulada por uma política não intervencionista. 

18 Questão:
(Fuvest 82) A conquista da Ásia e da África, durante a segunda metade do século XIX, pelas principais potências imperialistas objetivava 

a) a busca de matérias primas, a aplicação de capitais excedentes e a procura de novos mercados para os manufaturados. 
b) a implantação de regimes políticos favoráveis à independência das colônias africanas e asiáticas. 
c) o impedimento da evasão em massa dos excedentes demográficos europeus para aqueles continentes. 
d) a implantação da política econômica mercantilista, favorável à acumulação de capitais nas respectivas Metrópoles. 
e) a necessidade de interação de novas culturas, a compensação da pobreza e a cooperação dos nativos. 

19 Questão:
(Cesgranrio 91)Um dos aspectos mais importantes do sistema capitalista, na sua passagem do conteúdo liberal ao monopolista, é a associação entre:

a) os interesses bancários e os capitais oriundos da produção agrícola na forma do capital financeiro.
b) o capital bancário e o capital industrial na forma do capital financeiro.
c) o capital financeiro e o capital fundiário como forma de conservação dos ideais fisiocratas.
d) o Estado e a economia garantindo a manutenção da posição não-intervencionista do Estado na produção industrial.
e) o Estado e a economia através da distribuição dos lucros da produção industrial aos pequenos agricultores.

20 Questão:
(Mackenzie 96) Uma das alternativas a seguir NÃO corresponde às diferenças entre o colonialismo do século XVI e o Neocolonialismo do século XIX. 

a) A principal área de dominação do Colonialismo europeu foi a América e o Neocolonialismo voltava-se para a África e a Ásia. 
b) O Colonialismo teve como justificativa ideológica a expansão da fé cristã, enquanto que no Neocolonialismo, a missão civilizadora do homem branco foi espalhar o progresso. 
c) Os patrocinadores do Colonialismo foram a burguesia financeiro-industrial e os Estados da Europa, América e Ásia, enquanto que os do Neocolonialismo, o Estado metropolitano europeu e sua burguesia comercial. 
d) O Colonialismo buscava garantir o fornecimento de produtos tropicais e metais preciosos, enquanto que o Neocolonialismo, a reserva de mercados e o fornecimento de matérias-primas. 
e) A fase do capitalismo em que o Colonialismo se desenvolveu denominou-se Capitalismo Comercial e a do Neocolonialismo, Capitalismo Industrial e Financeiro. 

21 Questão:
(Mackenzie 96) Novas formas de organização das empresas surgiram no final do século XIX, cujas características são: 

a) concentração de várias unidades de produção em grandes Companhias, Trustes ou Cartéis e a formação de "Holding Companies." 
b) casas de créditos bancários, que realizaram operações de exploração de produtos tropicais através de companhias marítimas. 
c) a limitação do capitalismo monopolista através da transferência das matrizes das empresas para países pequenos. 
d) implementação de normas técnicas de predomínio da qualidade, ampliação da livre concorrência e instalação de filiais móveis. 
e) empresas em que os trabalhadores, através das "holdings", participavam obrigatoriamente da distribuição dos lucros. 

22 Questão: (Puc-rio 2005) Assinale a alternativa correta a respeito da expansão imperialista na Ásia e na África, na segunda metade do século XIX. 

a) Ela derivou da necessidade de substituir os mercados dos novos países americanos, uma vez que a constituição de Estados nacionais foi acompanhada de políticas protecionistas. 
b) Ela foi motivada pela busca de novas fontes de matérias-primas e de novos mercados consumidores, fundamentais para a expansão capitalista dos países europeus. 
c) Ela foi conseqüência direta da formação do Segundo Império alemão e da ampliação de suas rivalidades em relação ao governo da França. 
d) Ela atendeu, primordialmente, às necessidades da expansão demográfica em diversos países europeus, decorrente de políticas médicas preventivas e programas de saneamento básico. 
e) Ela viabilizou a integração econômica mundial, favorecendo a circulação de riquezas, tecnologia e conhecimentos entre povos e regiões envolvidos. 

23 Questão:
(Puccamp 93) A Expansão Neocolonialista do século XIX foi acelerada essencialmente, 

a) pela disputa de mercados consumidores para produtos industrializados e de investimentos de capitais em novos projetos, além da busca de matérias-primas. 
b) pelo crescimento incontrolado da população européia, gerando a necessidade de migração para a África e Ásia. 
c) pela necessidade de irradiar a superioridade da cultura européia pelo mundo. 
d) pelo desenvolvimento do capitalismo comercial e das práticas do mercantilismo. 
e) pela distribuição igualitária dos monopólios de capitais e pelo decréscimo da produção industrial.

24 Questão:
(Ufes 2004) No século XIX, assistiu-se à consolidação da sociedade burguesa por meio do amadurecimento do capitalismo industrial e da expansão de mercados. Essas transformações foram nomeadas por economistas e historiadores como Imperialismo. 

Sobre esse período, NÃO é correto afirmar que 

a) a necessidade de novos mercados de fornecimento de matérias-primas baratas e de escoamento de produtos industrializados conduziu as grandes potências europeias ao neocolonialismo. 
b) as nações europeias mais industrializadas fecharam seus mercados para as concorrentes, dando origem à política de ocupação territorial e econômica de regiões do mundo menos desenvolvidas. 
c) a corrida neocolonial foi dirigida por Estados europeus voltados para a aplicação da política mercantilista, baseada no bulhonismo e no exclusivo comercial. 
d) a expansão econômica e política das potências industriais, em escala mundial, durante o século XIX, deu início à fase monopolista do sistema mundial capitalista. 
e) os mercados afro-asiáticos foram integrados ao sistema de produção, dominado pelos industriais e banqueiros, que investiam seus capitais na comercialização de produtos e na realização de empréstimos. 

25 Questão:
(Unesp 93) Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiam características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade do homem branco marcavam o auge da hegemonia européia. Assinale a alternativa que encerra, no plano ideológico, certo esforço para justificar interesses imperialistas. 

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, é algo inimaginável para os ocidentais. 
b) A civilização deve ser imposta aos países e raças onde ela não pode nascer espontaneamente. 
c) A invasão de tecidos de algodão do Lancashire desferiu sério golpe no artesanato indiano. 
d) A diplomacia do canhão e do fuzil, a ação dos missionários e dos viajantes naturalistas contribuíram para quebrar a resistência cultural das populações africanas, asiáticas e latino-americanas. 
e) O mapa das comunicações nos ensina: as estradas de ferro colocavam os portos das áreas colonizadas em contato com o mundo exterior.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...